Sobre Páginas Heroicas Imortais

Tempo de leitura: 3 minutos
Cruzeiro 5 x 3 Vasco |Foto: Vipcomm

Cruzeiro 5 x 3 Vasco |Foto: Vipcomm

Imagine que a história do Cruzeiro estivesse toda relatada em livros. Uma estante recheada de grandes histórias sobre conquistas e vitórias, e, claro, também sobre derrotas e frustrações, como qualquer outro time. Há livros para todos os gostos.

Mais ao fundo da biblioteca celeste você poderia buscar e reler a história da Taça Brasil de 1966, sobre como o Cruzeiro fez o impossível. Ou o livro que conta a Copa Libertadores de 1976, que poderia ter sido escrito por George R. R. Martin, tendo a morte de um personagem principal : Roberto Batata, mas com redenção e reviravoltas emocionantes no capítulo final.

Há aqueles livros que fazem a gente acreditar no mocinho o tempo todo e quando chega ao último capítulo, o leitor é surpreendido com um final triste, em que os vilões levam a melhor, como a do Campeonato Brasileiro de 1974.

Arte: Surigueira

Arte: Surigueira

A biblioteca do Cruzeiro tem livros com vários estilos diferentes, como a Copa do Brasil de 1996, em que o mocinho derrota o gigante soberbo; a da Libertadores de 1997, com um começo desanimador, mas que vai empolgando o leitor aos poucos; a Copa do Brasil de 2000, em que o leitor fica apreensivo o tempo todo, para ser recompensado somente na última página.

O destaque da biblioteca é a Trilogia 2003, uma das últimas grandes obras de autoria de Vanderlei Luxemburgo, que conta a história de um capitão canhoto e sua equipe imbatível nos livros: “Mineiro Invicto”, “Copa de letra” e “Ninguém me pega”.

E ainda: “Supercopa – Volume I” e “Supercopa – Volume II”; “Copa do Brasil 1993 – O Início”.

Temos vários outros livros, e também contos menores, mas também épicos de Adilson Batista como: “Cinco a zero” e “Cinco a zero – o Retorno” ou a Tragédia: “Libertadores 2009”.

Uma coisa interessante sobre livros é que, quando eles são bons, o leitor fica sempre tentando imaginar o final. Alguns, mais afoitos, dão uma espiadinha nas últimas páginas para ver como termina, mas não o bom leitor. O bom leitor aguenta firme a vontade de espiar o final e aprecia cada página.

A Copa do Brasil 2013 não merece um livro. É apenas um capítulo desanimador de uma história maior, que começou a ser escrita há pouco tempo.

Alguns leitores abandonam o livro quando se deparam com um capítulo que não gostam. Mas não o bom leitor. O bom leitor sabe reconhecer uma boa história. Ele se deixa envolver. Ele acredita em um final épico, em reviravoltas, em heróis surgidos de repente.

O legal mesmo da história que o Cruzeiro quer escrever agora é que o leitor pode fazer parte dela. Na verdade, ela depende do leitor acreditar para que ela continue a ser escrita.

Hoje o Cruzeiro virou a página, e começou um novo capítulo fazendo cinco gols contra o Vasco e se isolando na liderança do Campeonato Brasileiro 2013.  Agora é hora de o leitor acreditar que a história vai ser boa.

Não dá pra espiar o final de um livro que ainda está sendo escrito, mas dá para continuar lendo, e quando terminar, o bom leitor pode se orgulhar em dizer que acreditou tempo todo no final feliz.

  • Puta merda
    Que baita texto

    É isso ae…a cada rodada vamos escrevendo mais uma página dese livro

  • Matheus Machado

    Gostei muito, mais um blog de qualidade do cruzeiro

  • Janires

    muito bom, e mais uma cervejam por favor!