Quando não se tem muito o que falar

Tempo de leitura: 2 minutos

Estou amando essa época.

Pouco tenho a dizer, só tenho vontade de assistir o Cruzeiro jogar. É o tal do Futebol Maldito que nos impede de trabalhar, estudar, dormir… Há uma semana não conseguia dormir de raiva e hoje já fiz questão de ler todos os textos e assistir a todos os vídeos que se trata do Cruzeiro. O mundo dá voltas, camaradas!

Quando perde, todos aparecem apontando os erros um a um. Mas quando ganha – graças a Deus – o sono fica até mais leve.

Marcelo Oliveira ontem fez exatamente o que deveria fazer, mas poucos repararam até o mérito nisso. Sacar Egídio, inverter o Ceará e colocar o Mayke pode parecer algo de pardal, mas foi uma leitura de jogo essencial pelo cansaço do Egídio, devido à sequência de jogos bissurdado titular (presente em todos os jogos do Brasileiro e da Copa do Brasil este ano, único jogador de linha do Cruzeiro que não se ausentou) e pela falta de reserva imediato para a lateral esquerda.

Depois do resultado, vê se uma substituição lógica. Mas se perdesse, seria uma pardalzisse sem tamanho – “por que raios foi tirar o Egídio pra inventar uma dessas?!”. E caem todas as críticas sob o Marcelo “atleticano”.

CAUTELA seria uma palavra chave pra esse Cruzeiro que segue líder, com o melhor saldo de gols da história dos pontos corridos, mas que ainda não sabemos escalar o time titular.

Nossa força talvez seja apontada como nossa fraqueza. Qualquer passo em falso, tá lá a nossa desculpa pra derrota:“Mas por que foi deixar o Borges titular e não o Vinícius Araújo?” e por aí vai.

Porém… não. Nossa força é nosso elenco. Ter um time líder, absoluto em quase todos os números e não saber qual é o time titular é um mérito. Confiar que entre Ceará ou Mayke, ambos darão conta do recado é um fator que pesa a favor de uma grande equipe.

E o Cruzeiro do Marcelo Oliveira sabe disso. Ficar sem saber o que falar e só assistir é a melhor consequência disso tudo.

Ganhamos o primeiro turno por antecipação e é uma honra. Apesar de que todo mundo comente que “não é legal comemorar turno”, não vi ninguém comemorando. Estamos calados e está uma beleza assim: Felizes, que ser líder a cada rodada é a solução dos nossos problemas, existentes e inexistentes.

Que continue assim, até com a sequência de jogos com Goiás (F), Atlético-PR (C), Botafogo (C), Corinthians (F – mas com portões fechados, se STJD permitir) e Internacional (F).

Que fiquemos calados…

Luciana Bois

Luciana Bois

★★★★ Uma maria que possui a estranha mania de ter fé na vida. ;D