A gente não gosta de agente, nem de “desorganizada” + transferências

Tempo de leitura: 6 minutos

mafia-azul-uma-cerveja-por-favor

Olá amigos.

O texto de hoje é muito difícil para mim, tenho algo muito sério a dizer. Acho que vou deixar meu agente, que realmente é a estrela aqui, que sabe todas as coisas, que importa no meio, falar por mim:

Meu agenciado, Michael Renzetti, está passando por um momento difícil aqui no blog. Ele não está escrevendo tanto, não está se desenvolvendo. E agora que os podcasts estão parados – disseram que é por falta de assunto e que volta daqui a pouco, mas eu não sei – sua permanência não está garantida. É uma situação delicada, ele gosta muito do blog e é grato pelo espaço, mas outras propostas estão surgindo e, se ele não for mais valorizado e ter um espaço maior, vai ter que sair, procurar novos ares.

É isso, gente. Só quero me sentir valorizado aqui e ter mais espaço para escrever. É tudo que peço. Eu sei que errei naquele texto contra o Flamengo em que podia ter classificado nosso blog para a próxima fase da Copa… não, peraí, acho que estou me confundindo, isso não aconteceu comigo e sim com o Vinícius Araújo.

Se você não entendeu nada do meu teatro ridículo acima, o agente do Vinícius Araújo, “Vinicera” para os íntimos, estava falando bobagem ontem sobre a permanência do jogador do Cruzeiro. Ele disse:

Ele vai continuar se tiver oportunidades. Se for sempre chamado de ‘prata da casa’ e ficar à mercê de outros jogadores que chegam, aí não interessa. A carreira dele é uma só. E o jogador precisa de espaço para se consolidar. Se os clubes apostarem em jogadores experientes, não vai haver revelação no futebol.

Acho que esse agente está tão preocupado com a carreira do seu jogador que esqueceu de olhar seus números. Vinícius Araújo disputou 26 partidas pelo Cruzeiro em seu primeiro ano como profissional, foi titular em 15 e marcou 11 gols. Na minha opinião, isso é ser bem aproveitado. E nesse primeiro ano de profissional, Vinicera foi campeão brasileiro. Além disso, no Cruzeiro, Vinícius é visto como uma grande promessa, um “herdeiro de Neymar”, para um jornal espanhol, que cita a equipe como a que “um dia revelou Ronaldo”.

Não sei o que esses agentes tem na cabeça para darem declarações pressionando clubes por conta de um jogador de 20 anos. Vinícius é uma grande promessa, tem tudo para se tornar o camisa nove do Cruzeiro – e por que não da seleção – mas ainda é jovem e precisa respeitar a hierarquia do clube. Existem milhões de jogadores que dariam tudo para terem a oportunidade de jogar no time reserva do Cruzeiro, ou entrar em campo no profissional por, pelo menos, alguns minutos, e ele tem 26 jogos, 11 gols, no primeiro ano de profissional. É muita coisa, um excelente começo, e se ele continuar a trabalhar direito, pode evoluir ainda mais.

O agente deve ter começado a falar essas coisas pela notícia da negociação do Cruzeiro para ter Marcelo Moreno de volta. Gilvan confirmou ontem que só espera um sim do Shaktar para trazer de volta o boliviano. Ainda disse que as notícias sobre a inclusão do próprio Vinícis Araújo no negócio é “invenção da imprensa”:

O Grêmio já decidiu, agora só falta o Shakhtar. Eles são parceiros nos direitos de Marcelo Moreno. Existe o interesse do atleta e do Cruzeiro. Ele passou e é querido aqui. Já Vinícius Araújo é conversa fiada. Isso não existe. A imprensa fica sem muita notícia, e um ou outro repórter inventa coisas assim.

Marcelo Moreno, apesar dos pesares, é uma boa contratação. Um jogador que vem de graça (segundo a imprensa, vamos pagar apenas metade de seu salário) e vai ajudar bastante na próxima temporada. É engraçado que todo mundo acha o Moreno um mal jogador, que não sabe dominar uma bola, mas não olham para seu grande número de gols marcados. Em sua primeira passagem pelo Cruzeiro, marcou 21 gols em 33 partidas. No Grêmio, time que o contratou para ser o centroavante principal, mas depois contratou Vargas, Barcos e Kléber, fez 23 gols em 57 partidas. No Flamengo, onde foi mal, fez 5 gols em 21 jogos. São boas médias para um centroavante, que é analisado por colocar bolas nas redes.

Além de Marcelo Moreno, Gilvan negocia com um zagueiro, já que Paulão foi liberado e já fechou com o Inter. O jogador é Vilson, que saiu de graça do Palmeiras por não ter chegado a um acordo financeiro. Gilvan declarou que, apesar de ter várias propostas, Vilson deve escolher o Cruzeiro:

A negociação com Vilson já está em andamento. Estamos na expectativa. Ele tem propostas de outros clubes, mas o próprio empresário do jogador já admitiu que a vontade dele é jogar no Cruzeiro.

Não sei muita coisa sobre o Vilson, mas no meu Football Manager 2010, ele era titular do meu Cruzeiro cinco vezes campeão mundial, o que já diz muita coisa sobre seu potencial em jogos de videogame.

Na mesma entrevista, Gilvan confirmou que Luan, o homem que quebrou a maldição do São Paulo, vai ficar mais um ano emprestado à nossa equipe. Para tal, vamos emprestar um de nossos atletas para a bomba que deve ser o Palmeiras 2014.

Luan fica no Cruzeiro. Está solucionada a negociação dele com o Palmeiras. Agora só falta definir qual jogador vai para o Palmeiras. Não sei se é Charles ou Anselmo Ramon, talvez outro jogador. Marcelo Oliveira (volante vinculado ao Cruzeiro) fica lá por esse período de um ano também.

Estou muito feliz com essa negociação pois podemos ter o desenvolvimento do projeto Anselmo Ramão no Verdão, criado por mim mesmo. Anselmo Ramon combina com o Palmeiras, e junto com Marcelo Oliveira e outros pernas de pau, podem refazer nosso 2011 lá, e talvez cair para a série B novamente, e talvez, pensando aqui lá na frente, ficar na série B, desistir de subir para a série A. Só depende de vocês.

Para fechar esse texto, que já está ficando longo, vamos ao assunto mais bombástico da noite. Na missa de aniversário do Cruzeiro, o presidente falou muita coisa, comentou sobre todos esses jogadores que citamos acima, foi bem esclarecedor. Mas nada foi melhor que suas palavras sobre as organizadas. Ele defendeu punição para as torcidas que brigaram e atrapalharam o Cruzeiro em duas ocasiões – o clássico contra o Atlético no independência e a festa do título após a partida contra o Bahia – e anunciou medidas do clube contra esses infratores.

A medida contra as organizadas, que eu anunciei para quem estava aqui, foi a decisão tomada no dia 19 de dezembro pelo conselho deliberativo. A marca e símbolo do Cruzeiro estão proibidos para as torcidas organizadas. Isso traz prejuízos terríveis por causa das atitudes. Tivemos uma média de arrecadação de R$ 1,5 milhão no Mineirão e, fora de casa (como mandante), isso caiu para R$ 400 mil. Esse é um prejuízo real que as torcidas organizadas estão causando ao Cruzeiro. Isso é intolerável. Por isso o conselho decidiu. Eles são desorganizados. Nós pediremos à Polícia para não permitir o uso dessas camisas no estádio.

Realmente, a situação com essas duas “torcidas” organizadas, Máfia Azul e Pavilhão Independente, ficou insustentável. Eles estão atrapalhando muito o Cruzeiro, e não só financeiramente. Outros torcedores estão ficando incomodados, assustados com a violência, estamos perdendo mandos de campo, não podemos comemorar títulos de nossa equipe. Chega a ser ridículo. Estamos com medo de nossos próprios “torcedores”.

Mas as ações do Cruzeiro são pequenas. Impedir as torcidas de usarem a marca do clube não vai acabar com a violência. Os “torcedores” ainda vão ao estádio, ainda vão brigar, ainda vão aterrorizar as pessoas que só querem assistir seu time do coração jogar futebol. O que deve ser feito com esse tipo de “torcedor” que agride, tenta matar outro “torcedor”, é colocá-lo na cadeia, o banir das partidas do Cruzeiro. Não sei até que ponto a proibição de se utilizar um escudo vai mudar esse cenário que já se tornou absurdo.

Eu sei que isso é mais caso de polícia do que do Cruzeiro, mas pelo que vimos nada vai acontecer a não ser que o clube decida alguma coisa. É uma questão complexa, mas pelo menos estamos vendo o Cruzeiro tentar se desvincular desse tipo de “torcida” que mais atrapalha do que ajuda.

Não me siga

Michael Renzetti

Não sei nada sobre táticas, sobre jogadores, sobre times - bom, na verdade eu acho que não sei nada sobre futebol. Mas eu gosto de opinar.
Não me siga