Universidade do Chile x Cruzeiro – NERVOSO

Tempo de leitura: 3 minutos

cruzeiro-la-u-libertadores-2014-uma-cerveja-por-favor

OLÁ AMIGOS!

HOJE O CRUZEIRO ENFRENTA A UNIVERSIDADE DO CHILE NO JOGO MAIS IMPORTANTE DO UNIVERSO, QUE PODE SELAR NOSSA RIDÍCULA DESCLASSIFICAÇÃO NA PRIMEIRA FASE OU PODE NOS COLOCAR DE VOLTA NA LIBERTADORES. DESCULPEM PELO CAPS LOCK MAS É QUE ESTOU NERVOSO. Pronto.

Se eu e você (provavelmente) estamos nervosos, imagina o time? Mas hoje – diferente das outras partidas – não é dia de ficar nervoso. É dia de acreditar no futebol que a equipe tem, e demonstrou durante todo o Brasileiro de 2013, e vencer. Simples, né? (risos).

Vai ser um jogo difícil, não se engane pelo placar da partida no Mineirão. O Cruzeiro vai ter que suar muito pra ganhar. Mas temos algumas armas que podem mudar a partida a nosso favor bem rapidamente. Por exemplo, a bola parada. O time chileno não é muito bom para lidar com cruzamentos. Eles tem mais estilo de bola no chão, jogadores pequenos e habilidosos. E é nessa hora que a gente deve soltar o Bruno Rodrigo neles. Ou o Dedé, ou qualquer um que consiga fazer um gol de cabeça. É uma arma interessante, pois abre qualquer defesa, qualquer retranca. Um gol de bola parada, e o jogo está em nossas mãos.

Parece que Marcelo Oliveira está pensando nisso, e na ótima entrevista com o Guerreiro dos Gramados, falou que a equipe está treinando muito essa arma.

No jogo contra o Botafogo em Belo Horizonte, que foi “””quase que””” uma final antecipada do Brasileiro 2013, nós abrimos o placar com um gol de bola parada. O de chaleira/voleio/loucura do Nilton. É tentar repetir isso.

O problema que estou vendo no Cruzeiro dentro da Libertadores, é que a equipe está muito pihada, querendo ganhar os jogos a todo custo, às vezes sem se preocupar com a defesa. Foi o caso da nossa derrota contra o Defensor no Uruguai. Fomos pra cima com tudo após o gol deles e fomos surpreendidos no contra-ataque. Às vezes, ir com VONTADE demais para frente, pode fazer com que a coisa estoure lá atrás. E atacar com 10 jogadores, sem organização nenhuma, mais atrapalha do que ajuda.

O Cruzeiro tem futebol para ganhar de todos os times dessa edição da Libertadores. Jogadores melhores, time encorpado, melhor elenco. É só jogar aquele futebol envolvente de 2013. O futebol que nos deu o título brasileiro. A Universidade do Chile não tem a melhor das defesas, então podemos chegar aos gols se jogarmos nosso futebol. Sem Dedé no ataque, sem brigas por causa de faltas, mas sim tocando a bola, abrindo espaços. Desse jeito, não tem quem nos vença.

Ficar de fora do mata-mata dessa Libertadores será vergonhoso. Além no nível da competição não ser dos melhores ultimamente (olhem para os últimos campeões), será algo inédito na nossa história. O Cruzeiro nunca ficou de fora das oitavas. E o pior, a gente é bom o suficiente para vencer todas as partidas que empatamos e/ou perdemos. Não é uma equipe fraca que chegou por acaso na competição. Não somos o Botafogo (risos). Somos os favoritos ao título – pelo menos éramos, antes das derrotas.

Mas se ficarmos de fora o mundo não vai acabar, temos vários títulos para conquistar ainda. Eu, particularmente, quero ver o Cruzeiro mais vezes Campeão Brasileiro. É o título que mais gosto e o que estamos mais longe dos maiores clubes do país em termos de conquistas. Mas vencer tudo, inclusive a Libertadores, está ótimo também viu Cruzeiro.

E por hoje é só. Até amanhã (talvez), e por favor que seja com uma vitória da nossa equipe.