Cornete com carinho

Tempo de leitura: 4 minutos

Antes de qualquer coisa, eu quero lembrar e deixar claro que todo homem tem direito à corneta ou em latim: omnis homo ius habet cornetum (se um direito tá em latim então é verdade).

Você pode (e até deve) destilar todo seu conhecimento futebolístico para bradar soluções táticas, intercaladas com os mais impublicáveis palavrões, do alto do sofá ou da arquibancada. Isso faz parte do futebol desde sempre. Seu pai e, quiçá seu avô, já viveram a maravilhosa experiência de gritar com o burro do treinador pela TV e/ou pelo radinho. Isso faz bem, cara. Libera endorfina (não sei se é isso mesmo que libera, mas deve liberar alguma coisa massa no organismo).

Mas (sempre tem um mas) a corneta é uma arma perigosíssima, um vírus que, se não for controlado, transforma as pessoas em zumbis corneteiros, é um organismo simbionte que pode se apropriar completamente do indivíduo hospeteiro mais desavisado. Se você não tomar cuidado, a corneta poderá se apoderar do seu ser e, de repente, você estará completamente dominado e, quando perceber, já estará criticando até o massagista do seu clube.

zombies

Tudo bem que ontem o Cruzeiro fez um jogo bem ruim e difícil de assistir (perceba como estou me arriscando na linha tênue da corneta segura, eu sou é doido). Tivemos que jogar em Uberlândia por causa de uns imbecis brigões que provavelmente viajaram e assistiram ao jogo no estádio, fomos mandantes em um jogo fora de casa, com bastante torcida do time adversário e em um gramado que não favorecia o toque de bola do time e ainda enfrentamos um São Paulo muricyvelmente chato e aplicado na marcação.

Depois de tantos minutos de um futebol que não foi dos mais agradáveis aos olhos e de levar um gol aos 47 do segundo tempo, as pessoas (compreensivelmente) correram para as redes sociais a fim de exercer seu legítimo direito de cornetar. Infelizmente, o vírus da corneta é muito contagioso e o ambiente mais propício para sua propagação é justamente a internet. (esse texto tá com muitos parênteses).

A maioria dizia que o Marcelo tinha recuado o time ao trocar o Willian por Nilton e todo mundo sabe que você sempre tem que reclamar se o time se defender. Mas, veja bem, ontem o Cruzeiro nem recuou assim. Se você respirar fundo e contar até dez, vai ver que não é necessariamente verdade que um volante no lugar de um atacante significa retranca.

Olhando o VT da partida com carinho você não vai ver o Cruzeiro aceitando que o São Paulo impusesse seu jogo. Em nenhum momento, vimos o Cruzeiro acuado no próprio campo de defesa sofrendo uma intensa pressão do São Paulo. Pelo contrário, depois que o Nilton entrou em campo, o Cruzeiro ainda apareceu no ataque, assim como o São Paulo.

Não houve pressão adversária, mas sim equilíbrio entre dois times que marcaram bem, criaram  uma ou outra chance de gol e mataram seus torcedores de tédio.

Aliás, em um dos ataques que aconteceram depois da entrada do Nilton, tivemos aquela que talvez tenha sido a chance mais clara do segundo tempo (fora o gol do São Paulo, claro), que foi o Lucas Silva pegando o rebote e soltando o pé, após uma jogada sensacional do Everton Ribeiro que dibrou Deus e o povo do lado direito da área.

Já o gol do São Paulou saiu de uma falta que nem existiu, e foi marcada depois de um chutão despretensioso de Rogério Ceni para tirar a bola da área em um momento em que o Cruzeiro estava, veja bem, atacando.

O texto que o Maico colocou no ar hoje mostra bem como não existiu essa imaginada pressão São Paulina. As vezes a gente fica com muita raiva e acaba sendo dominado pelo poder irresistível da corneta e de repente começa a ver coisa que nem existiu.

Algumas vezes o poder da corneta é mais rápido e mais forte que nossa capacidade de controlá-lo e quando percebemos nossos amigos e familiares já estão completamente dominados e se tornam zumbis completamente incapazes de olhar o jogo com carinho e começam a repetir incansavelmente as coisas que vêm outros torcedores contaminados falarem nas redes sociais.

O virus da corneta zumbi também usa as ondas de rádio e de TV para se propagar e muitas vezes a gente nem percebe quando as pessoas começam a repetir as loucuras que o narrador da Itatiaia ou o comentarista da Globo falam e quando isso acontece meu amigo, a única solução é um tiro na cabeça esperar o próximo jogo e torcer pro Cruzeiro ganhar de um jeito incontestável.

Então, agora você já está inteirado dos riscos do uso imoderado da corneta. Seja cuidadoso, não queremos perder você, mas fique a vontade para continuar cornetando.

keep-Corneting azul

 

  • Aline

    QueissoSenhoor! ehauhaeuaehuah rachei de rir com essa mitância toda! Kkk