Derrota para San Lorenzo, Arbitragem Problemática e Time Reserva para o Clássico e

Tempo de leitura: 3 minutos

fabio-cruzeiro-san-lorenzo-uma-cerveja-por-favor

Olá amigos.

O Cruzeiro perdeu, na quarta-feira, para o San Lorenzo lá na Argentina. Não foi uma boa partida da nossa equipe, mas também não foi uma boa partida do San Lorenzo. Na verdade, não foi uma boa partida em sua totalidade. Foi um jogo bem ruim. Tão ruim que eu até deu uma cochilada.

Mas tudo bem, um a zero é reversível. Mas teremos que jogar muito mais futebol. Coisa que podemos fazer com tranquilidade. O Cruzeiro é muito mais time que o San Lorenzo, mas todo mundo sabe que nessas horas ser mais time, mais técnico, com melhor elenco, pouco importa. Nessas horas é onze contra onze, e quem errar menos, e consequentemente, acertar mais, vai passar.

Falando em acertar, parece que hoje em dia está muito difícil para os árbitros acertarem as marcações contra o Cruzeiro. Nas partidas contra São Paulo e Atlético Paranaense, foram erros absurdos que atrapalharam muito a equipe. E parece que esse mal dos árbitros brasileiros passou para o restante da América do Sul, e o árbitro de San Lorenzo e Cruzeiro tratou de errar tudo o que podia. Inclusive o lance do gol deles, que não foi falta.

Gilvan, em entrevista, disse que o árbitro errou no lance do gol, e mesmo com a derrota acredita que a equipe vai conquistar a classificação:

Achei que o Cruzeiro jogou o suficiente para não perder. E não teria perdido se o árbitro não tivesse errado naquele lance.  Nada está perdido, porque nosso time mostrou que tem condições de reverter o resultado e ganhar aqui. Estou muito confiante, tenho certeza que nós vamos reverter.

Estou com Gilvan. Não foi falta e o Cruzeiro vai se classificar. Mas tem que jogar muito mais futebol. E acho que isso vai acontecer. O Cruzeiro demora pra pegar no tranco, mas quando pega ninguém segura. Não será fácil, o time deles vai se fechar completamente aqui no Mineirão, vamos encontrar muitas dificuldades para marcar o primeiro gol, mas temos que confiar no Cruzeiro.

Esquecendo um pouco da Libertadores, no domingo vamos enfrentar o Atlético Mineiro pelo Campeonato Brasileiro. Vocês já perceberam que sempre tem um clássico no meio de um jogo importante pela Libertadores? É muita coincidência. E um grande problema, porque você nunca quer perder um clássico, sempre dá 110%.

Quando o jogador entra em campo num clássico ele esquece de todas as outras partidas, de todos os outros campeonatos, e se esforça ao máximo para vencer. O que é excelente. Mas às vésperas de um jogo tão importante pela Libertadores, não tem jeito de deixar a equipe titular se focar tanto num simples jogo do Campeonato Brasileiro. E é por isso que Marcelo Oliveira vai escalar o time reserva. Ele comenta:

Temos que descansar alguns jogadores no final de semana, o jogo foi muito corrido. A ideia é usar o time B, que vem jogando muito bem e no qual nós temos muita confiança.

O time b do Cruzeiro é ótimo. Tem muitos jogadores que podem ser titulares. Só não tem tanto entrosamento, o que acaba fazendo com que as partidas fiquem divertidas. ninguém espera que o time totalmente reserva ganhe facilmente dos adversários, e quando isso acontece – em duas partidas fora de casa pelo brasileiro – é com muita emoção e repleto de jogadas estranhas e erros.

E, sinceramente? Esse time do Atlético sem Ronaldinho, Jô, Marcos Rocha e Guilherme, não chega nem aos pés de nossos reservas. Nossa equipe para o clássico deve ser: Fábio, Mayke, Leo, Wallace, Egídio; Nilton, Souza e Tinga; Marlone, Luan e Borges. Eu, particularmente, trocaria o Luan pelo Alisson e manteria o restante. Mas é uma senhora equipe B, viu? Muita gente boa junto. E isso é muito importante para que possamos conquistar o Campeonato Brasileiro novamente.

Até amanhã.

  • Arthur Coelho

    O time B do Cruzeiro treina direto contra o melhor time do Brasil (o time A do Cruzeiro), aí ficou bom e tão até bem entrosados. Só não gosto do Luan jogando de novo depois da partida medonha do fim de semana passado, e o Álisson ficando fora depois de ter sido decisivo.