Ricardo Goulart bêbado, Dagoberto batendo recordes e o fantasma do novo Maracanã

Tempo de leitura: 4 minutos

caça fantasmas cruzeiro

Olá amigos!

Anteontem falei sobre como o Cruzeiro é Europeu (pelas palavras de Lucas Silva e de um colunista), mas hoje, Ricardo Goulart chegou entrando loucamente na área do blog metendo verdades para as redes, tal qual faz tão bem em campo, dizendo que o Cruzeiro não é europeu nada. O Cruzeiro é cruzeirense. Apesar de não entender muito bem o que isso quer dizer, concordo com qualquer coisa que Goulart, o maior jogador do mundo, o Aaron Ramsey Brasileiro, o Thomas Muller sem piedade, o Yaya Touré ainda mais letal, tem a dizer:

Não acho que somos europeus, nem que dá para comparar nosso jogo ao deles. Nós jogamos o futebol do Cruzeiro, de características próprias. Desde o ano passado, a gente já vem jogando em alto nível. Deixo o futebol europeu de lado. O que a gente joga é o futebol cruzeirense.

E se Goulart falou está falado. Apesar da coisa não fazer o mínimo sentido, não é mesmo gente? Mas não é bom contrariar um cara que esteja fazendo tantos gols pela sua equipe. Então vamos ficar quietinhos aqui e continuar a ouvir suas opiniões sobre os segredos do Cruzeiro:

O segredo é que não tem segredo. Já faz um ano e sete meses que esse time joga junto e está totalmente integrado. A comissão técnica tem um estilo inovador, interessante de trabalhar, a gente é obrigado a dar só dois toques na bola. Acredito que tudo isso se reflete em campo e no nosso futebol. A gente trabalha muito forte, todo dia, corrigindo erros, acertando detalhes, e os resultados vêm por mérito disso.

A cada frase de Ricardo Goulart eu fico um pouco mais confuso sobre a vida. Tem segredo ou não tem? O treinamento é ou não o segredo? Como assim dois toques é inovador? Pra mim todo mundo treinava dois toques. Não estou entendendo mais nada. E no fim ele fala algo mais inacreditável ainda, sobre não ter ido para o Atlético Mineiro:

Isso é uma longa história (risos)… É muito legal ter o reconhecimento do torcedor cruzeirense, e também do atleticano. Sempre que encontro algum alvinegro, eles me abordam dizendo: ‘Pô, por que você não veio jogar no Atlético?’. Mas acho que eles entenderam a situação, são coisas do futebol. O Atlético é um grande clube, enorme como o Cruzeiro. Graças a Deus acertei na minha escolha pelo Cruzeiro e estou muito feliz de estar aqui.

COMO ASSIM O ATLÉTICO É UM CLUBE ENORME COMO O CRUZEIRO???? Você estava bêbado nessa entrevista, Ricardera? Vamos maneirar no pingão aí meu filho, que esse negócio faz mal.

Agora vamos para notícias mais “normais” porque vocês, assim como eu, devem estar cansados de tanta loucura.

Dagoberto, nosso jogador estrela de Hollywood, bateu um recorde interessante na última partida de nossa equipe. Com o gol marcado contra o Figueirense, ele se tornou, junto com Rogério Ceni, o jogador a fazer gols em todas as edições de pontos corridos do Brasileirão. O que é bem legal pois já temos o que? Doze edições do torneio? É um grande feito. Mas não tão grande a ponto do próprio jogador saber algo a respeito:

Isso é muito legal, mas confesso que eu não sabia. No futebol, as conquistas coletivas sempre são mais importantes do que as individuais. Como sempre digo, me considero um cara abençoado porque consegui ser campeão em todos os clubes que joguei. E isso não teria sido possível sem a ajuda dos meus companheiros, assim como meus gols. As marcas individuais são secundárias, mas também são bacanas porque ficam registradas na história do futebol. Fico muito orgulhoso e agradeço a Deus por mais essa marca.

E é engraçado como Dagoberto, um cara tão marcado por lesões, por não participar muito das campanhas das equipes que defende, tem tantos títulos e marcas importantes. Ele é muito importante para o Cruzeiro. Não o vejo como essencial ao time titular, mas é um cara que resolve alguns jogos, tem experiência para ajudar os mais jovens, para lidar com má fases e problemas. Além disso, parece um cara muito legal, de grupo, e todos sabemos que ele sabe se divertir ao conquistar um título.

Para finalizar, uma nota mais “DARK”, o Cruzeiro vai enfrentar, nesse final de semana, O FANTASMA DO NOVO MARACANÃ. Vocês sabiam que nossa equipe NUNCA venceu uma partida nesse estádio desde sua reforma? É mais um tabu que precisaremos reverter, pois, sinceramente, o Botafogo está uma lástima. Mas vai que o fantasma os ajuda, não é mesmo? Todo o cuidado é pouco numa hora dessas. Por isso acho que o Cruzeiro poderia dar uma olhada nesse negócio de caça fantasmas, equipar nosso ataque com aqueles aparelhos que Bill Murray e sua turma usavam para acabar com as assombrações.

Até amanhã.