Botafogo 1 x 1 Cruzeiro – Empate com gosto de… empate

Tempo de leitura: 5 minutos

botafogo x cruzeiro

Olá amigos!

Fiquei por fora do blog nesse fim de semana pois também sou filho de Deus e precisava descansar após uma semana maluca. Mas quero que ele seja atualizado todos os dias, até nos finais de semana. É um esquema mais para mim do que para vocês, mas todo mundo sai ganhando. Só que essa semana foi difícil, e infelizmente não deu. Sorte nossa que não aconteceu nada demais. Só o jogo entre Cruzeiro e Botafogo (risos).

Falando da partida, vi muita gente criticando o Cruzeiro por não ter vencido o “fraco” Botafogo. Sim, eles estão passando por um péssimo momento, salários atrasados e coisa do tipo, mas a partida que o time fez no sábado foi ótima. Eles marcaram muito bem, ofereceram muito perigo à defesa do Cruzeiro e tiveram o Jefferson (nunca sei se é com um ou dois Fs) mais uma vez em grande noite.

É claro que o Cruzeiro poderia ter vencido o jogo. Além de termos jogado melhor, tivemos todas as chances do mundo de virar. Mas as defesas de Jeferson (vou tentar com um F só) e o pé torto impediram que fizéssemos o segundo gol. Mas não foi o pior resultado do mundo. Uma derrota seria ruim, o empate foi normal. Ano passado nós perdemos para o Botafogo fora de casa e fomos campeões com sobras.

Muita gente também disse que o Cruzeiro jogou mal, e que a partida foi ruim, mas não consegui enxergar isso. Vi um bom jogo, com chances dos dois lados, as duas equipes jogando bem, buscando a vitória, e achei que o Cruzeiro foi bem. Dominou a partida, criou muitas chances, poderia ter saído do Maracanã com uma vitória de 3 x 1 tranquilamente, sem nem contar as duas bolas na trave. É só lembrar da defesa do Jefferson na cabeçada do Nílton e a chance desperdiçada por Dagoberto (se eu me lembro bem) no fim. Além disso, o gol do Botafogo foi de uma sorte absurda. A cabeçada foi tão fraca, o Fábio ia fazer a defesa, jogar para o lado e tudo seria esquecido, se não fosse o escorregão. Com o escorregão todo mundo começou a olhar para tudo quando é lado em busca de falhas. A marcação na lateral estava ruim, o Léo teve que ir atrás do jogador que cruzou. Dedé não poderia ter perdido a disputa na área, o adversário entrou livre nas suas costas. TROCA O TIME INTEIRO. Se não tivesse o escorregão ninguém se lembraria do lance.

Mas é assim que funciona. Você não pode vacilar em nenhum momento, porque até uma cabeçada fraca pode levar a um gol. Então é 100% de atenção em todos os momentos. Marcelo Oliveira não gostou da marcação no gol adversário:

Infelizmente, marcamos mal na jogada do gol do Botafogo. Depois, tivemos uma reação muito boa. Finalizamos mais, tivemos mais a posse de bola e a reação foi boa. Mas a gente lamenta porque viemos aqui para ganhar o jogo. Não deu, mas ficou de bom tamanho.

A reação do Cruzeiro foi muito boa mesmo. O time pressionou até marcar o gol de empate e quase virou a partida em questão de minutos. Se não fosse pelo Jefferson, a trave e o pé torto, teríamos ganhado, e ganhado bem o jogo. E também o juiz poderia ter nos ajudado um pouco, marcando suas faltas e dando cartões corretamente. Por exemplo, não entendi até agora como o Emerson Sheik não foi expulso pelo lance no Henrique. É o tipo de lance que pode quebrar o tornozelo do jogador. Olhem como ficou o pé dele. Além disso, Carlos Alberto tentou agredir o próprio Henrique em outra jogada no meio do campo, e nada aconteceu. É um absurdo como os juízes são ruins e – principalmente – caseiros nesse campeonato.

Achei que – diferentemente do normal – Marcelo Oliveira foi muito bem nas substituições. Ele tirou Henrique – que sentiu o tornozelo após a entrada criminosa do Sheik – e Marquinhos para colocar Dagoberto e William. O time ficou com apenas um volante até conseguir o empate. E depois, com pelo menos um ponto conquistado, ele voltou com a formação natural da equipe, colocando Nílton no lugar de Marcelo Moreno. E Nílton, por duas vezes, quase virou o jogo para o Cruzeiro. Ele também falou sobre isso:

Deixamos um time bem mais aberto, apenas o Lucas marcando e a gente recompôs com o Nilton e continuamos atacando, com um time leve. Tivemos oportunidades com Nílton, Dagoberto e Everton Ribeiro. Fica a consciência de que se tentou o melhor o tempo todo. Essa é a tônica, a forma do Cruzeiro jogar.

É isso. O time precisava de abafar o Botafogo porque estava perdendo injustamente. Colocamos jogadores mais ofensivos. Após conseguirmos o empate, voltamos à forma natural de jogo, e deveríamos ter virado o jogo. Eu sei que gosto de criticar suas alterações, mas nessa ele foi muito bem. Apesar de que, acho que o Marcelo Moreno – que não jogou nada – poderia ter ficado em campo para tentar um gol salvador de cabeça no final, coisa que ele já fez nesse campeonato por duas vezes. Mas tudo bem, provavelmente o Jefferson ia defender tudo mesmo.

Foi um empate com gosto de empate. O time jogou bem, mereceu até ganhar, mas o adversário teve méritos e conseguiu nos segurar. Acontece. Agora é ganhar do Criciúma e continuar com essa boa vantagem na liderança. Apesar do Corinthians ter empatado também e não ter conseguido se aproximar, Fluminense – que parece o adversário mais forte – e Inter, venceram seus jogos e tiraram um ponto. É pra ficar esperto.

Até amanhã.