Luto por Egídio – E agora? Quem poderá nos defender na lateral esquerda?

Tempo de leitura: 6 minutos
adeus mito/monstro

adeus mito/monstro

Olá amigos!

Hoje o blog está de luto pela venda de Egídio para o Dnipro da Ucrânia. Vocês podem xingar, cornetar, falar o que for, mas Egídio vai deixar saudades. Era um bom lateral, que dominou a posição em 2013 e 2014 e ajudou bastante o Cruzeiro a ser bicampeão brasileiro. Hoje em dia está difícil achar bons laterais. Quem os tem segura, quem não tem fica pra trás. Acabei de me tocar aqui que falei isso ontem para centroavantes. Não temos mais centroavantes bons, nem laterais bons, acho que daqui a pouco temos que começar a rever nosso futebol antes de não termos mais nenhum jogador bom e levar de 7 x 1 para outras seleções se tornar algo corriqueiro.

Voltando ao ponto, não existem mais bons laterais-esquerdos. Existem razoáveis laterais-esquerdos, e Egídio era um dos melhores razoáveis laterais-esquerdos do Brasil. Se o Cruzeiro não se reforçar bem nessa posição, sentiremos em pouco tempo (Libertadores) os efeitos de não ter um jogador competente por ali. Não estou dizendo que Egídio era perfeito, que defendia como ninguém, atacava como um guerreiro grego invadindo Troia (#cultura), mas ele fazia bem o feijão com arroz, tal qual uma panela velha. E vocês sabem que o dizem sobre panelas velhas.

Agora o Cruzeiro se vê com algumas opções peculiares (para não dizer outra coisa) para a lateral esquerda. Temos Gilson, que foi muito bem em 2014 pelo América jogando a série B (foi assim que achamos Egídio). Temos também Breno Lopes, o jogador da discórdia, que foi contratado sem sabermos se poderia ou não jogar e que não temos a mínima ideia de como joga futebol. E subimos o garoto Antônio Carlos da base, que revelou se inspirar em Mayke para dar certo em 2015.

"O quê? É pra eu voltar? Pra marcar ou pro Cruzeiro?"

“O quê? É pra eu voltar? Pra marcar ou pro Cruzeiro?”

Já vou dizendo, que se Antônio Carlos for metade do que Mayke é, já pode botar o menino pra jogar. Mas como ele quase foi emprestado para o ABC de Natal e teve que ser integrado ao time às pressas, não acho que será a oitava maravilha do mundo. Duvido que terá algum impacto na equipe, mas tomara que esteja errado. Ele deu uma entrevista bem legal ao Superesportes falando dessa oportunidade:

“Fiquei muito feliz com a notícia. Já estava me preparando para uma mudança total, mas graças a Deus vou continuar no clube que me criou. Estava esperando uma resposta do ABC de Natal, quase fechando, e recebi a notícia. Foi a melhor possível. Recebi a notícia por volta de 14 horas. O Bruno Vicintin me ligou e avisou. Estava deitado no sofá, com a minha família, esperando meu empresário me ligar para falar sobre o ABC e o Bruno me ligou.”

Até imagino Bruno Vicintin ligando.

– Alô eu queria falar com Adonyo Cláudio.

– Não tem ninguém com esse nome aqui senhor.

– Como assim? Esse é o número da casa dele. Está escrito aqui no meu celular, ó. Argônio Crabes. Eu sou o Bruno do Cruzeiro.

– Ah, do Cruzeiro. Você deve estar procurando o Antônio Carlos.

– Isso mesmo, foi o que eu disse. Augusto Carrick.

O jovem lateral falou na entrevista sobre suas características em campo:

“Eu era atacante, sou bem ofensivo. Amadureci muito nesse Campeonato Brasileiro Sub-20, como capitão da equipe, responsabilidade maior. Assumi mais a posição de lateral, defendi um pouco mais até para dar exemplo para os garotos. Sou bem ofensivo, muita força, gosto de driblar, jogar por dentro, realizar as tabelas. Podem esperar muita força e velocidade.”

Ofensividade, força, velocidade, dibres. Tudo que NÃO esperamos de um lateral e sim de um atacante. Mas tudo bem, vamos esperar pra ver. Até porque ele disse algo legal no fim. Perguntado sobre se transferir para um clube europeu, pois tem o mesmo empresário de Lucas Silva e o repórter fez a conexão mais sem propósito do futebol, ele respondeu:

Primeiro eu penso no Cruzeiro. Pelo grande tempo que fiquei na base, meu objetivo sempre foi subir ao profissional. Quero chegar lá, viver esse momento, conquistar títulos como os meninos estão conquistando para depois pensar em algo diferente. O primeiro objetivo é firmar no profissional do Cruzeiro e ganhar essa torcida.

E isso é tudo que eu espero dos jovens jogadores brasileiros hoje em dia. Se firmar em sua equipe, ser ídolo da torcida, pra depois pensar em Europa. Não se transferir na primeira oportunidade e se perder por lá. Estou olhando para você Vinícius Araújo.

pode procurar, Gilson fica com essa boca aberta e cara de imbecil em todas as fotos, isso é um mal indício

pode procurar, Gilson fica com essa boca aberta e cara de imbecil em todas as fotos, isso é um mal indício

Na entrevista, Augusto Carrick, quer dizer, Antônio Carlos, diz que Gilson sai na frente na briga pela posição de titular, e esse é meu sentimento também. Ele jogou bem pelo América, voltou a pedido de Marcelo Oliveira e, por um breve momento, me pareceu um bom jogador. Não cheguei a acompanhar nada que ele fez fora do Cruzeiro, mas os diagnósticos dos “entendidos” são, em sua maioria, positivos. Se o Cruzeiro não fizer alguma contratação bombástica espero que comecemos 2015 com Gilson usando a – erroneamente não aposentada – camisa 6 do Cruzeiro.

E se o Cruzeiro fosse contratar alguém, quem – bom e barato – poderia vir para ser titular da equipe? Não temos muitas opções. Como já disse acima, quem tem um bom lateral-esquerdo aqui no Brasil, PLENO 2015, não libera facilmente. E jogadores brasileiros que foram vendidos para a Europa e querem voltar normalmente tem salários absurdos. É o caso de Alex Telles, uma das melhores revelações brasileiras dos últimos tempos. O rapaz custou 6 milhões de euros para o Galatasaray, como o Cruzeiro conseguiria pagar algo do tipo? Isso sem mencionar o salário.

Fiz exatamente como um dirigente antenado na modernidade e joguei no google “melhores laterais esquerdos brasileiros”. Os resultados foram interessantes.

O primeiro link é o Ranking da Bola de Prata Placar, o que, no passado até seria interessante para vermos alguns bons jogadores. Mas hoje em dia, com Arnaldo Ribeiro e sua trupe infectando a votação, fica difícil ver o que é a realidade contra todo o fanatismo. Bom, vamos ao ranking.

O primeiro colocado é Zé Roberto, ex-Grêmio, que foi negociado com o Palmeiras. Ele foi um excelente jogador no passado, tanto como lateral-esquerdo como meia, mas hoje tem 4092490833 anos e deve estar encerrando sua carreira em breve. O segundo colocado é Carlinhos, ex-Fluminense, que foi negociado com o São Paulo. Falei acima que quem tem bom lateral não larga, mas ao que parece isso não é verdade. Tá todo mundo largando lateral. Mas a verdade é que Grêmio e Fluminense passam por crises financeiras e não podem se dar ao luxo de terem jogadores tão caros no elenco.

O terceiro colocado do ranking é ele, o próprio, o mito, Egídio. Em outros rankings ele foi o melhor, mas para a placar, o lateral campeão brasileiro é apenas o terceiro melhor jogador. Tudo bem. Fecham o Top 5 Fábio Santos e Álvaro Pereira, de Corinthians e São Paulo, respectivamente. Nem preciso dizer que não conseguiremos contratar nenhum desses jogadores. Mas o sexto colocado me agradou. Cereceda do Figueirense. Não pelo futebol ou pela nota, mas sim pelo nome. Cereceda. Seria uma excelente contratação pela piada.

O segundo link é um ranking dos 10 melhores laterais brasileiros para a Copa do Mundo, mas é um ranking em galeria de fotos, e todos sabemos que não devemos confiar em rankings dentro de galerias de fotos. A única coisa digna de nota nesse ranking é que o sexto colocado é Juan, ex-Flamengo, que hoje joga no Vitória.

O terceiro link é uma pergunta. Qual o melhor lateral esquerdo em atividade no Brasil?. Uma pergunta que eu venho me fazendo durante todo esse texto. É o link perfeito. Vou encontrar tudo que estou procurando. Abro o link e é, na verdade, uma enquete. E as primeiras opções são Richarlyson (Atlético-MG) e Diego Renan (Cruzeiro). Fecho o link, desligo o computador e choro um pouco, refletindo toda a minha existência.

Até amanhã.