Ano novo, jogadores novos e a mesma corneta de sempre

Tempo de leitura: 7 minutos

Olá amigos,

EU NÃO QUERO FAZER PROMESSAS. Mas cá estou novamente. Talvez para ficar? Talvez para nunca mais voltar? Quem sabe?

O ano novo trouxe algumas contratações para o Cruzeiro. Bom, na verdade as contratações foram (meio que) anunciadas no final de 2015, mas finja que é agora pra combinar com o título do post. Não é nada fácil encontrar títulos bons para posts, você tem que pensar em algo que prenda a atenção do INTERNAUTA, que o deixe curioso para clicar no link, tem meio que deixar claro o que é o assunto e ainda causar dois tipos de situações: a concordância e a revolta. Agora vamos estudar meu título.

Ano novo: estamos em 2016, é um novo ano mesmo, então estou correto. E o que vem com o ano novo? Esperança, novas realizações, um reset em todos os problemas e a crença de que vamos ganhar todos os títulos.

Jogadores novos: O tema central do texto, a discussão sobre os jogadores que estão chegando. Todo mundo gosta de novos jogadores, seja pela esperança de melhoria do plantel ou apenas para uma gostosa cornetada. Cornetada que nos leva à real força do título.

A mesma corneta de sempre: Essa é a frase que vai fazer o pessoal parar. Metade vai pensar “é mesmo, esse povo é corneteiro demais, tem que esperar pra ver”, e metade vai falar “lá vem os caras defenderem perna de pau, eu quero é reforço de verdade”. E metade lê para concordar com o texto e ter sua opinião validada e a outra metade lê para me xingar nos comentários.

MENTIRA. Isso pode acontecer com outros blogs, mas por aqui temos os melhores leitores que conseguem ler e fazer um pensamento crítico sobre a questão, além de discutir com bons argumentos (que na maioria do tempo são melhores que os meus). Então vamos ao post.

"Olá, meu nome é Paulo André, eu me visto bem, eu jogo xadrez, eu sou inteligente, mas mesmo assim não consigo entender como funcionam bolas aéreas".

“Olá, meu nome é Paulo André, eu me visto bem, eu jogo xadrez, eu sou inteligente, mas mesmo assim não consigo entender como funcionam bolas aéreas”.

O Cruzeiro fez o melhor negócio da história do futebol e trocou Paulo André por Douglas Coutinho. Por que eu digo “melhor negócio da história”? Não é porque sei tudo sobre Douglas Coutinho e tenho certeza de que ele vai vingar e ser o melhor jogador da história do futebol. Mas sim porque NOS LIVRAMOS DE PAULO ANDRÉ (risos). Brincadeira, eu não acho Paulo André esse desastre todo (só pelo alto, pelo alto ele era um desastre completo), ele nos ajudou no início da temporada, se perdeu em algumas partidas (principalmente pelo alto) e caiu de rendimento como todo o restante da equipe, mas quando o time reagiu e ele foi chamado a campo por lesões e suspensões, não comprometeu mais. A gente foca muito no individual, tenta achar culpados pelas derrotas, mas na maioria dos casos o coletivo explica muito mais sobre um jogador que não está rendendo (menos pelo alto, ele era muito ruim pelo alto). Como culpar Paulo André por más partidas quando o time inteiro está marcando mal, não cria jogadas e deixa o adversário chegar com facilidade à área? Certamente ele tem sua (boa) parcela de culpa, mas se o time marcasse melhor, atacasse melhor, conseguisse trocar dois ou três passes (como fez no final do ano), seu desempenho também cresceria. Afinal, ele já foi campeão brasileiro, da libertadores e do mundial de clubes (apesar de ser ruim pelo alto – EU NUNCA VOU ESQUECER DISSO).

"Eu faço gols e não me importo".

“Eu faço gols e não me importo”.

Acho que saí um pouquinho do assunto. Douglas Coutinho. É uma boa porque parece ser uma promessa interessante, já foi muito bem pelo Atlético Paranaense no passado. Usando o excelente Futdados é interessante perceber sua trajetória pelos números. À primeira vista, parece que ele foi excelente em 2013, razoável em 2014 e ruim em 2015 pelos números de gols que caíram de 12 para 7 e para 4, respectivamente. Mas se você parar pra ver os campeonatos que o rapaz disputou e marcou seus golzinhos, vai perceber que a história não é bem essa. Vamos bancar os detetives aqui.

Em 2013, seu aparente “melhor ano”, Douglas Coutinho marcou 11 de seus 12 gols no campeonato paranaense que, convenhamos, não é o melhor dos campeonatos. O outro gol foi na Copa do Brasil (e estou com preguiça de pesquisar se foi contra um adversário ruim, mas é bem provável que sim). Já em 2014, o rapaz fez apenas 4 jogos do paranaense (sem marcar gols), e jogou 28 das 38 partidas do brasileirão, onde fez todos seus sete gols. Apesar de marcar menos, pra mim foi uma evolução, pois Douglas Coutinho fez seus gols num campeonato mais competitivo, ajudando muito mais sua equipe. Tanto que ele foi adquirido pela Doyen Sports (a pior coisa que aconteceu no futebol brasileiro nos últimos tempos).

Já em 2015 ele jogou menos e marcou poucos gols, divididos entre as quatro competições que disputou no ano, brasileiro, copa do brasil, sul-americana e paranaense. Algo que pode explicar a má fase são os famosos “problemas pessoais”. Minha teoria pessoal de detetive da internet é que ele queria/esperava ser vendido para a Europa no meio do ano e não reagiu muito bem quando as coisas não deram certo. É exatamente o tipo de coisa que essas corporações do mal como a Doyen Sports fazem com os jogadores. Prometem o mundo para eles (ele estava sendo especulado em Manchester United, Porto e Atlético de Madrid), querem ganhar dinheiro rápido com vendas malucas e normalmente não pensam no HOMEM por trás do jogador. Normalmente um menino pobre que nunca viu tanto dinheiro na vida e fica deslumbrado, já pensando em ser um gênio na Europa, jogar no Barcelona e comprar um iate e uma casa para seus pais. Quando a coisa não vai tão bem, as negociações não avançam e ele fica “preso” no Atlético Paranaense (ou qualquer outro time brasileiro) ao invés de ir para a Europa, a tal da BAD bate (como dizem os jovens tuiteros) e isso se reflete em campo. Coisa do tipo já aconteceu bastante no Cruzeiro – e recentemente inclusive (quero que fique claro para o júri que estou olhando fixamente para o Mayke) – mas não quero citar nomes.

Num time diferente, mais forte (com todo o respeito ao Atlético Paranaense), Douglas Coutinho pode recuperar seu futebol e mirar a Europa novamente através de boas partidas e títulos. Ele vem por empréstimo de um ano, não deve ter um alto salário e tira Paulo André e seu alto salário daqui. É uma win-win situation, como diriam vários personagens de filmes e sitcons norte-americanas.

Ele parece bem confuso.

Ele parece bem confuso.

Já a segunda contratação (meio que) confirmada é Sanchez Miño. Jogador argentino (gostamos), de 25 anos (gostamos), que passou pelo Boca Juniors (gostamos mais ainda) e joga em tudo quanto é posição pelo lado esquerdo do campo. Lateral, volante, meia, ponta. É um Marquinhos Paraná que fala espanhol. Parece que é um bom cobrador de faltas e que chuta bem de longe, coisa que ninguém além de Willian faz nessa equipe. Já ganha pontos pra mim. Apesar de todas as coisas positivas, não me parece um jogador para ser titular. Talvez possa disputar com Fabrício (que vai ficar no Cruzeiro) a titularidade da lateral-esquerda e ajudar nas outras posições, entrando quando for necessário. Não acredito que venha para tomar as vagas de Ariel ou De Arrascaeta/Alisson. Mas como diz o sábio, nunca diga nunca. Vai que ele é o novo Messi e ninguém tá sabendo?

vc quer eu sei

vc quer eu sei

A terceira, e a contratação mais cornetada até agora, é de Rafael Silva, atacante PLATINADO do Vasco. O jogador, aparentemente, é um desejo antigo de Gilvan, o que já me deixa com dois pés atrás pois nosso presidente tinha um grande desejo de trazer Luxemburgo como treinador do clube, E DEU NO QUE DEU. Além disso, muita gente fala muito mal do futebol do rapaz. Eu, sinceramente, o vi jogar pouquíssimas vezes. Uma dessas partidas foi exatamente contra o Cruzeiro e ele marcou os dois gols do empate em 2 x 2 entre as duas equipes. Não é uma contratação muito excitante, mas a gente precisa de elenco. Pode ser uma alternativa razoável para quando os titulares, reservas, segundos reservas e terceiros reservas das posições em que ele joga estiverem machucados. Vindo de graça, com salário baixo, pra mim está ok.

Mas aparentemente a torcida do Cruzeiro já pegou as tochas e ancinhos e deseja assassinar o rapaz. Eu não consigo entender tanto ódio para com uma contratação sem custos, de um jogador que não vem pra ser titular nem nada. É uma aposta, é o substituto do Marquinhos (que vai para o Internacional). É uma situação tão inofensiva. Eu entenderia a raiva se ele fosse a única contratação do ano, se fosse a grande aposta para o ataque, trocado por Alisson, De Arrascaeta e Willian. Vocês deviam relaxar mais e ouvir o poeta que diz: deixa os garoto brinca.

O wordpress está falando que já escrevi 1434 palavras, e nesse mundo rápido de 2016 anos ninguém tem tempo pra ficar lendo 1434 palavras (agora 1455 palavras e aumentando). Então até a próxima.

  • Olha, a torcida do Cruzeiro, no geral, é muito chata. Eu nem critico antes de ver jogar. Porque lembro da galera toda criticando Goulart (deusão 31, sdd) falando que era jogador de série B e depois queria filhos com o rapaz. Vamos esperar… até agora estou satisfeita.