Resolução de ano novo: gastar menos e melhor

Tempo de leitura: 3 minutos

Olá amigos,

Eu gosto muito de gastar dinheiro em coisas inúteis. Compro diversos produtos, bugigangas, jogos, qualquer coisa que ache legal no momento mas que no fundo não foi usar pra nada e vai ficar guardada num canto da casa. E nos últimos anos o Cruzeiro fez (quase que) a mesma coisa.

O início da gestão Alexandre Mattos foi muito legal, com vários ótimos jogadores contratados, muitas piadinhas contra os rivais e deu tudo certo. Dois campeonatos brasileiros conquistados, jogadores vendidos por preços absurdos, enfim, aparentemente uma boa administração. Mas aí veio 2015. E Alexandre Mattos quis ir embora. Ninguém entendeu muito bem o motivo, por que largar o melhor time do país e ir para o Palmeiras? Depois de um tempo ficou claro. O presidente do time paulista resolveu bancar o time e Mattos teria sua arma secreta para contratar tão bem novamente: o dinheiro infinito.

Alexandre Mattos é muito bom, não me levem a mal. Se ele quer um jogador vai lá e contrata. E os jogadores gostam dele, os técnicos também (aparentemente tinha uma ótima relação com Marcelo Oliveira). Mas seus métodos de contratação, bem, são pouco criativos. Ele apenas oferece o dobro do salário dos rivais e, consequentemente, leva qualquer jogador. Pra torcida é ótimo, todo mundo pode ficar zoando que o “Mittos” deu o chapéu no rival, o técnico adora porque pode contar com mais um bom jogador, mas esse gasto desenfreado acaba estourando em algum lugar. E 2015 foi esse ano. Dos 100 milhões de reais que o Cruzeiro ganhou em vendas, só fizemos uma grande contratação – De Arrascaeta. O restante provavelmente foi usado para cobrir os rombos.

Tudo que você lê sobre o Cruzeiro nesse final de ano é “cortar gastos”, “aliviar folha salarial”, e o trabalho vem sendo bem feito. Ceará, Paulo André, Júlio Babtista e Leandro Damião – que pra mim são bons jogadores e poderiam continuar sendo utilizados para o time em 2016 – saíram mais pelo alto salário do que por qualquer outra coisa. Nessa reportagem é estimado que as dispensas deles, somadas às saídas de Charles, Pedro Ken, Dagoberto, Ananias, Seymour e Gilson, proporcionaram ao clube uma economia de 3 milhões de reais. É muita coisa, pensando que passamos 2015 inteiro sem um patrocinador master que poderia ter coberto esse valor (felizmente parece que vamos fechar com a caixa esse ano ~DIZ SITE~).

O mantra para 2016 é contratar menos e melhor. Não sair atirando para todo quanto é lado, porque isso pesa no futuro. Você não pode mais contar com patrocínio master no futebol brasileiro, nem em grandes vendas para o exterior (talvez só o melhor jogador da equipe para a China). Além disso, os clubes estão participando do Profut, um movimento de modernização do futebol, que prevê um parcelamento das dívidas fiscais em troca dos clubes respeitarem algumas regras importantes em seus gastos. E uma delas é não gastar tanto dinheiro assim com o time, limitando a 80% da receita bruta.

Por isso, não esperem muito mais do que está acontecendo no momento. Talvez os boatos de Cuellar e Pisano se confirmem, algum centroavante entre em pauta, mas duvido que o Cruzeiro faça mais algum grande negócio. E, sinceramente, eu gosto desse time do Cruzeiro. Acho que podemos substituir Willians por alguém melhor (sinto que será Cuellar), precisamos de um Mayke muito melhor em 2016, Fabiano precisa melhorar também, mas de resto eu gosto muito da equipe. Temos uma boa base de Fábio, Mayke, Dedé, Manoel e Fabrício; Henrique, Willians e Ariel; De Arrascaeta, Alisson e Willian.

Com a chegada de Sanchez Miño temos um reserva para as posições de lateral, volante e meia pela esquerda, Douglas Coutinho vem para substituir Marquinhos como o reserva número 1 (e pode se desenvolver e brigar pela titularidade do ataque) e Rafael Silva vem para a posição de “jogador mais odiado sem motivo” em 2016 (risos). Se Cuellar for confirmado podemos ter um volante para brigar pela titularidade no meio (pra mim ele entra no lugar do Willians) e Pisano, se confirmado, vem para brigar por uma das posições de lado de campo no ataque (como Alisson morre toda hora acho que vai ser uma briga fácil para ele). Acho que estamos no caminho certo.

Até a próxima.