Gabriel Xavier

Gabriel Xavier e a inexplicável e louvável esperança do torcedor

Tempo de leitura: 4 minutos

Olá amigos.

Eu voltei. E agora pra ficar. Gostaram do novo site? Agora tá mais nosso, fora das garras do wordpress (apesar de ainda ser wordpress), dá pra instalar um tanto de aplicativo imbecil e se divertir. Mas hoje não vamos falar sobre isso. Hoje é dia de Gabriel Xavier. Ah, se você vive numa pedra (ou é apenas ocupado), ele foi emprestado hoje para o Sport.

Gabriel Xavier divide opiniões e rende brigas ridículas no twitter, apesar de não ter jogado muito e não ser nada importante para a equipe (falando num nível prático). Ele fez apenas 27 partidas, 5 como titular e apenas 1 gol. Mas bateu um pênalti sensacional contra o São Paulo num dos jogos mais legais dos últimos tempos do Cruzeiro. Pouca coisa, né? Normalmente a gente nem se importaria tanto com um cara desses. Quanto jogador assim passou pelo Cruzeiro e ninguém sentiu saudades? Vou chutar aqui um número aproximado de SETE BILHÕES. Então por que Gabriel Xavier causa tanta CELEUMA entre nossa já chata torcida? Só a esperança e o amor ao futebol explicam.

O torcedor brasileiro é carente de técnica apurada, de certa FINESSE futebolística nos últimos anos. Todo jogador bom de verdade saiu daqui e fugiu para a Europa, Arábia e, numa surpreendente reviravolta do destino, para a China, local tão amado para os brasileiros na hora de fazer negócios interessantes. Estamos órfãos do bom futebol. Por isso Robinho, Ricardo Oliveira e afins (excelentes jogadores de gerações passadas), são reverenciados e disputados à tapa. São nossos últimos resquícios de talento, de bom futebol, de “nível europeu”. É triste dizer que “nível europeu” é acima do nosso, do país que mais venceu copas do mundo, que cria jogadores incríveis a todo momento em ruas, jogando futebol com traves improvisadas feitas dos famosos chinelos havaianas.

Gabriel Xavier era nossa esperança. Improvável, inexplicável e não menos louvável da torcida cruzeirense para um camisa 10 antigo. Um novo Alex. Um jogador que consegue ver espaços escondidos em campo, que consegue dar aquele passe de 30 metros que outro jogador nem tentaria, que fica o jogo inteiro sumido mas com um passe ganha uma partida. Nós queremos isso. Sempre. E nunca vamos deixar de querer. Nós fomos criados assim, vimos vários camisas 10 incríveis jogando exatamente assim. E nós queremos que isso aconteça de novo, de novo e de novo.

Temos algum motivo para acreditar que Gabriel Xavier seria esse jogador? Nenhum. Muito pelo contrário. Se, em dois anos, ele não conseguiu se firmar, nunca mostrou para nenhum treinador que deveria ser titular, por que deveríamos acreditar que ele seria um grande camisa 10? Não faz nenhum sentido. Zero. Mas isso é o futebol. Nós não precisamos de sentido. Nós até esperamos que os grandes talentos surjam de situações que não se podem explicar. Essa é a beleza do futebol. E não tentem tirar isso da gente.

Gabriel falou ao site oficial do Cruzeiro sobre sua saída:

Queria agradecer à torcida celeste, que sempre me incentivou e me apoiou desde quando cheguei aqui. Eles me receberam de braços abertos e em tão pouco tempo eu pude retribuir esse carinho nas oportunidades que tive de jogar. Só tenho a agradecê-los por esse um ano que passei aqui no Cruzeiro.

Realmente é um fenômeno engraçado esse apoio todo ao Gabriel Xavier. De Arrascaeta, por exemplo, que é um jogador muito melhor, já demonstrou muito mais futebol, jogou Libertadores, destruiu o Cruzeiro, fez belos gols por nossa equipe, é criticado com tanta raiva. Tem gente que cai nas graças da torcida, é inexplicável, e é mais uma das coisas legais do futebol (menos a corneta ao De Arrascaeta, isso não é legal).

Thiago Scuro, nosso diretor, falou sobre o negócio com o Sport:

Ele vem percebendo que não teria muito espaço. Em dezembro ele pediu (para ser emprestado), o Cruzeiro não aceitou, sentiu que não fazia sentido naquele momento. Mas o atleta procurou o Deivid, me procurou, para que o Cruzeiro o emprestasse para o Sport. Olhando para os atletas que tínhamos, e entendo que ele não estava satisfeito no Cruzeiro, entendemos por bem proceder com o empréstimo e liberá-lo para o Sport.

É difícil falar por um jogador, você não sabe o que acontece nos treinos, não sabe o que o cara está passando, mas eu achei que Gabriel Xavier foi precipitado. A gente está no meio de Fevereiro. Ele tinha muito tempo para mostrar que poderia ser titular da equipe. É muito cedo para achar que não tem lugar. Isso mostra até uma falta de competitividade. O jogador, principalmente jovem, tem que estar preparado para brigar por posições. Não pode querer apenas ser titular ou sair de qualquer equipe que te coloca no banco. Mas, de novo, não sei o que ele está passando, então não posso julgar tanto.

Espero que ele faça um excelente ano no Sport, que volte à equipe em 2017 pronto para ser o maior camisa 10 da história do Cruzeiro. Ou que pelo menos seja razoável. Ou que achemos um outro jovem promissor e esqueçamos completamente que esse tal de Samuel Gabrier exista.

Até amanhã.

Não me siga

Michael Renzetti

Não sei nada sobre táticas, sobre jogadores, sobre times - bom, na verdade eu acho que não sei nada sobre futebol. Mas eu gosto de opinar.
Não me siga