Cruzeiro 3 x 4 Fluminense – Making a Deivid

Tempo de leitura: 5 minutos

Olá amigos!

É complicado chegar aqui depois de ter levado quatro gols e tentar defender o Cruzeiro. Todas as evidências mostram que o time foi muito mal. É fácil para a acusação levantar o dedo e dizer que foi uma tragédia. Mas vou vestir meu melhor terno e tentar imitar os advogados de defesa de Steven Avery. O Cruzeiro não é culpado.

Vamos partir do princípio.

Meu cliente é um bom time. Contratou bons jogadores para a temporada, tem uma boa base, jogadores experientes. Juri, eu peço para vocês olharam para Fábio e Dedé, dois jogadores com nível de seleção. Vocês podem contar com eles, vocês pode confiar neles. Olhem para Ariel Cabral. Olhem o estilo dele jogando futebol. Quem pode não gostar de um jogador assim? Sim, eu sei que meu cliente tem problemas. Fabiano não é tão confiável. Mas ele é esforçado, ele tenta. Está querendo construir uma carreira. É um bom menino. Temos também jogadores irregulares como Alisson, De Arrascaeta e Marcos Vinícius. Mas são apenas garotos, jovens, ainda não tem aquela experiência toda, ainda não sabem todos os segredos dos campos de futebol. Vocês vão mesmo condenar nosso cliente por acreditar em jovens talentos? Nós precisamos de novos talentos.

Agora vamos ao jogo.

Meu cliente começou muito bem e com quatro minutos de jogo já marcou o primeiro gol. Um time ruim faria isso, juri? Eu acho que não. Ainda mais com o nível da jogada. De Arrascaeta foi muito bem na tabela com Sánchez Miño e deu uma bola perfeita para Rafael Silva, que fintou o goleiro com categoria e marcou o gol. Uma pintura. Esse é o potencial do meu cliente, juri. Se tudo clicar, se você tiver paciência com ele, é capaz de grandes feitos, como esse gol. Além disso, o trabalho do meu cliente está apenas começando. Pode melhorar muito mais. Se você der a liberdade para ele, juri, vai conseguir ver em pouco tempo que meu cliente estará bem melhor.

Mas meu cliente sofreu com um problema. Ele foi punido por uma tecnicalidade. Eu sei que o delito cometido por meu cliente está escrito nas regras, é uma recomendação. Mas é um delito que tantos outros times são perdoados. E um delito que não prende ninguém na europa, por exemplo. Na verdade, há pouco tempo, até aqui no Brasil mesmo esse delito não era punido dessa forma. Se vocês do juri acompanharem a prova A, que é o vídeo do lance, vão perceber que o delito cometido foi sem querer, nada intencional. E como já disse acima, Fabiano é um bom garoto, de caráter, querendo crescer na vida. Não ia fazer algo do tipo de má fé. O árbitro da partida não percebeu nada disso e deu o pênalti. E aos 28 minutos, Diego Souza empatou a partida.

Isso desequilibrou um pouco meu cliente, o deixou mais vulnerável. E o adversário se aproveitou disso. Numa jogada em que Fabrício cometeu um deslize de cair no gramado, e Manoel abandonou seu posto para tentar ajudá-lo, Wellington Silva passou e deixou Diego Souza sozinho para marcar o gol da virada. Foi um belo gol, mérito do adversário. Meu cliente fez o que pôde, mas sofreu um pouco com a falta de combatividade de seu lateral esquerdo na jogada e o espaço que seu zagueiro deixou quando saiu de sua posição para tentar roubar a bola lá na frente. 2 x 1.

Logo depois, quando a bola caiu no pé de Diego Souza, havia pouco que meu cliente podia fazer quando o camisa 10 acertou um incrível passe no meio de nossa zaga. E menos ainda pôde fazer Fábio com o chute absurdamente forte e bem colocado de Gustavo Scarpa. 3 x 1. O resultado não fazia jus ao apresentado em campo. Meu cliente estava jogando muito melhor do que o placar estava apresentando. E o adversário muito menos. Fez três gols com três chutes. E eu sei que não existe justiça no futebol, juri, eu sei. Mas pensem comigo por um momento o quão improvável é essa série de eventos que acabei de narrar. Normalmente meu cliente estaria à frente do placar. Tanto que, pouco tempo depois, Fabiano fez um cruzamento perfeito e achou Rafael Silva dentro da área, que diminuiu o resultado. 3 x 2 e fim de primeiro tempo.

Meu cliente merecia resultado melhor. E aos vinte minutos do segundo tempo veio o empate. Élber, menino bom, esperto, rápido, conseguiu fazer uma jogada parecida com a do segundo gol do adversário e achou De Arrascaeta dentro da área. 3 x 3 e a justiça estava próxima. O time que mais jogou, mais tentou, mais mereceu estar à frente do placar, conseguia o gol de empate. Mas não ficou assim por muito tempo.

Cinco minutos depois, num chute despretensioso de Douglas, Fábio – eu falei com vocês do juri sobre Fábio, jogador de seleção, bom, que você pode confiar – cometeu um pequeno erro. Ele não conseguiu segurar o chute. A bola rebateu e voltou para a área. E é nesse momento que eu quero que vocês do juri prestem muita atenção. Após errar a jogada, Fábio viu Felipe Amorim vindo de encontro à bola, parar marcar o gol. Tentando corrigir seu erro, Fábio, muito bem por sinal – tentou ir para cima de Felipe e fechar o ângulo para que ele não conseguisse marcar. Deu certo. Felipe não tinha tempo para dominar e tentou chutar de qualquer jeito. A bola acabou indo para o lado, sem perigo.

Mas Fábio não ia conseguir frear. Vocês do juri devem conhecer muito bem as leis da física, sabem que é complicado parar subitamente um corpo em movimento. E sabem também que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço. Pois bem. Fábio e Felipe, não conseguindo parar, se chocaram após o término da jogada. Coisa casual, de jogo. Mas o árbitro viu mais um delito do meu cliente. Interpretou que Fábio parou Felipe Amorim, sem levar em conta que Felipe já não dominava mais a bola, após ter errado o chute para gol. Se vocês perceberem bem na prova B, Felipe Amorim não estava de posse da bola, e Fábio não conseguiria evitar o choque, mesmo que quisesse. Foi sem querer. De jogo. E não interrompeu a jogada de Felipe Amorim. O delito não poderia ser marcado. Mas foi. E Diego Souza cobrou o pênalti fazendo 4 x 3. Uma derrota injusta para meu cliente, que fez seu melhor jogo no ano e foi prejudicado por uma arbitragem inexperiente, que marcou dois pênaltis numa partida só, coisa que vocês não vão ver com frequência.

Juri, meu cliente é inocente.

Não me siga

Michael Renzetti

Não sei nada sobre táticas, sobre jogadores, sobre times - bom, na verdade eu acho que não sei nada sobre futebol. Mas eu gosto de opinar.
Não me siga
  • Luiz

    Defende mais o David que tá pouco. Mas já vai começando o texto explicando o rebaixamento desde agora, pra quando chegar no fim do ano ele já estar pronto.

    • Já estou começando o texto, Luiz! É assim:

      “Olá amigos!

      Fomos rebaixados, para a felicidade do Luiz, que desde fevereiro torceu contra seu próprio time com base em cinco jogos e não teve a mínima paciência. Parabéns Luiz, você estava certo.”

      O que está achando? É apenas um rascunho.

      • Luiz

        Eu tenho uma ideia melhor, olha só:

        “Olá amigos!

        Infelizmente fomos rebaixados para a segunda divisão. O erro em apostar no Deivid custou caro e quando fomos mudar já era tarde. O Pedrinho fez o que pode mas não foi capaz de nos salvar, mas ele já deu mostras de que será um grande técnico e fará um grande 2017 aqui.”

        • Gostei bastante Luiz, só faltou colocar a parte que você ficou feliz e estava certo após 5 jogos. Aí acho que já fica uma boa introdução.

          • Luiz

            Eu acho mais legal ressaltar que todo mundo que defendia o David ficou feliz pois foi dado tempo ao trabalho dele né, era tudo que ele queria, as consequências são irrelevantes.

          • Luiz ele chama Deivid

          • Luiz

            Viu, o cara já tá errado desde que nasceu. Ninguém mais chama “Deivid”. Seria como se vc chamasse “Maicou”.

          • Touché, Luiz. Você venceu.

      • Rodrigo Maia

        Nem se o time tivesse SENHOR WALDERMAR no comando eu seria tão impaciente e imediatista. O cara quer que o time perca só pra provar que está certo. C tem que torcer pro time ganhar cara, não pro time seguir o que você quer. (:

    • Eduardo Gabão

      Todo ano tem os profetas do apocalipse falando em rebaixamento…

  • castilho17

    Concordo em que fizemos o melhor jogo do ano até agora e que o David precisa de tempo, mas não da para entender como o time terminou o ano passado tão bem, não teve perdas expressivas no elenco, na teoria se reforçou bem, com jogadores que estão ali para ENTRAR no esquema existente e não recria-lo em função deles, esta jogando tão mal.

    O Cabral esta fora de posição, a zaga parou de funcionar (alguém mais sentindo falta do Ceará?) e o ataque continua ineficiente. É raro acertar como em 2013, mas o cruzeiro precisa sonhar mais alto e jogar mais bola do que esta fazendo agora.

    • Eu acho que o Deivid quis testar demais conceitos e táticas ~modernas~ e acabou se embaralhando nesse início de trabalho. Deve melhorar até o Brasileirão (tomara).

  • Pingback: A busca pela equipe perfeita | Uma Cerveja Por Favor()