A torcida modinha às avessas

Tempo de leitura: 3 minutos

Já disse que um dos meus momentos preferidos no estádio se encontra quando subo a escada, entro na arquibancada e vejo o campo. É uma atmosfera única e irresistível que sempre me faz arrepiar. Reparo nada além do campo por um segundo, depois me lembro do universo.

0986f337-9f6f-4d1a-a0dc-1ec2fcbfe73aNeste jogo contra o América fiquei ali na entrada. Não sou só eu besta assim. A maioria tem algum ritual ou entra se sentindo como um modelo estreando na passarela. Estufa o peito e vai. As crianças apenas vão. Aquelas que não estão com as mãos dadas aos pais sempre chegam à frente correndo com aquele sorriso besta de que chegou ao maior playground do mundo.

Neste domingo, ciente da situação do time, decidi ficar no vermelho inferior. Vi que o Cruzeiro havia feito uma campanha de ingressos mais baratos com o Super Notícia que ao final das contas, saía à R$ 21,25 para quem não é sócio.

70098e48-840e-4876-998b-b16fd0989730Há muito tempo não se via um preço tão acessível assim para a torcida (não levando em conta valores de meia entrada). O time na pior fase, com futebol nada convincente, com um técnico que desagrada, precisando de um placar elástico e a diretoria fazendo nada para mudar essa situação. Eu, sinceramente, achava que não passariam de 15 mil pessoas no campo.

Mas naquele setor vi que não importava. Ali estava seu povo para qual foi feito o futebol. Nos sinais da cruz, exclamações, pelos cantos puxados apenas por puxar, pelo brilho dos olhos e tantos, mas tantos amigos que se reencontravam. Tantos idosos que ouvi dizer “a quanto tempo”, tantas crianças que gritaram “olha o tamanho do campo! Vem ver pai!!”, o pai explicava ao filho “como era antes” e a regra da cerveja era conhecida ali para surgir um “estádio chato” para ter assunto para puxar com a segurança enquanto bebia.a6890479-9c49-44ba-9ca1-37723eb45c03 (1)

Na era da rede social, nunca vi tantas fotos tiradas naquela rampa de entrada. O jogo não tinha começado, então podia. Cada hora parava uma família, alguns amigos, poses, poses e poses. A raposa distribuída pelo marketing virava o protetor do sol, o qual dava de cara com quem subia ao palco e, quando o time entrou em campo pra aquecer, aquele rosto de raposa gigante virara escudo de guerra.

Foi uma gritaria danada. Corneta, Fábio e Willian. O que valia era gritar. Estavam ali novamente de perto do seu time. Seu time, mesmo cambaleando, estava ali com teu povo.

a2090a03-663a-49ac-9dac-38f8e9bc8f33E a maioria resistiu ali até o fim. O menininho que comia o tropeiro em que o isopor era quase do seu tamanho parava de mastigar quando o Cruzeiro subia ao ataque. Duas meninas que não passavam dos seus 8 anos puxavam um “vamos vamos Cruzeiro” na velocidade da luz enquanto o resto da torcida vaiava. Era o universo delas que sabia que poderiam ser escutadas e o jogador correria mais, por elas.643d371c-ae71-442f-bd8e-5f5fb8df406e

Reclamamos da torcida “modinha” que só vai no bem bom, agora temos que dar o nome para esses que só puderam ir porque o time precisou (na cara de pau) de se ajoelhar e falar “vocês podem voltar que estamos precisando de ajuda?”. Lembrem-se: Muitos que neste domingo viram o time ser desclassificado não puderam o ver ser campeão há dois anos. Mas contra o América estavam lá, de mãos estendidas puxando o clube pra que ele ficasse de pé. Estes podemos dizer que são nossos queridos “modinhas às avessas” os quais eu realmente gostaria de dizer que é nosso povo.

A classificação? Não veio. Mas eles podem dizer – com orgulho – que tentaram.

Luciana Bois

Luciana Bois

★★★★ Uma maria que possui a estranha mania de ter fé na vida. ;D
  • Dado Gonçalvez

    No dia que ingresso a 20, 15 contos com promoção do Super Notícia não for no “bem bom” eu deixo de torcer pra futebol. Ainda mais quando o jogo é contra o América. Pra mim esse post só serviu para romantizar um time e uma torcida que se apequena no modo de pensar e agir a cada dia que passa. Assista na TV qualquer jogo do Corínthians jogando em casa que tu vai compreender o que estou falando, tanto no aspecto time quanto torcida.

    • Olar. Que mau humor, colega! Não entendi do que você reclama.

      Para que você entenda, foi ofertado 4 mil ingressos nesse valor e o público foi de 35 mil. Desses 4 mil, como pude observar, eram de pessoas que não iam à muito tempo. Qual mal há nisso? Custa nada ao clube popularizar uma pequena parte dos ingressos como fez. Mas só faz isso quando o clube precisa.

      Abraços e bom dia!