Foto: Washington Alves / Light Press / Cruzeiro

Falar menos e trabalhar mais

Tempo de leitura: 3 minutos

Acabou. Paulo Bento se foi pra escancarar o péssimo planejamento feito pela diretoria celeste. E o MessiasMano voltou.

Não estou reclamando sobre o retorno do Mano, nem julgando a demissão do Bento mais. O Mano fez certo ao aceitar a proposta dos chineses, quem não iria? Mas o maior problema, assim como de toda diretoria celeste, foi o discurso.

Desde o título de 2014 estamos caindo em teias de falácias de planejamento, PROFUT e tanta coisa que seria lindo, se não ficasse apenas no papel. São grandes projetos a longo prazo que não resistem à uma derrota.

Minha maior intriga com o futebol moderno é esse estranho “profissionalismo”. É muito bonito, porém muito contraditório. Querem melhorar o futebol, mas a Lei Pelé dá todo direito a um jogador dar as costas para seu clube formador, vende-se a alma para o diabo para que mantenha salários astronômicos (para pouco rendimento) fazendo dívidas milionárias, onde sua promessa de pagamento vale tanto quanto suas palavras; e maiores salários separam grandes grupos de jogadores e técnicos. E isso sem contar tantos parâmetros de segurança para arenas “modernas”.

Foto: Divulgação | Cruzeiro

Foto: Divulgação | Cruzeiro

Foi se o tempo da chuteira rasgada, de renovações de contratos feitas a partir de ofertas de postos de gasolina; dos jogadores, depois de 10 anos nos clubes, ainda chorarem nas derrotas e que o seu maior desejo era um título e servir à seleção, não ir para Europa. Digo isso apenas com saudosismo, porque sei que é impossível voltar aos velhos tempos e temos que encarar a verdade: apenas a torcida ama seu time, mesmo que seja de um jeito torto às vezes, mas apenas ela.

O Cruzeiro disse que iria voltar às raízes esse ano. Chamou até o Dirceu Lopes para mostrar esse plano na apresentação do Douglas Coutinho e do Rafael Silva! Projeto que não durou nem o clique da foto que o Rafael Silva fez após um gol. O Mano Menezes, em outubro passado, disse que não sairia para o submundo do futebol por grana, gostava de trabalho de longo prazo… Semana passada a diretoria disse que confiava no trabalho do Paulo Bento…

Cansei do marketing, cansei de ouvir apenas o que eu quero mesmo, não o que de fato sempre continuará acontecendo. Está na hora de parar a entrevista e proibir apresentações beijando o escudo. Não quero exclusivas, não quero juras de amor. Quero de vocês apenas trabalho e competência.

Vão se técnicos, dirigentes, campeonatos… Mas nós continuaremos aqui pra ver até onde podemos ir, mesmo que caiamos um degrau abaixo. Futebol é resultado, né? É a ciência mais exata que existe. Ganhou? Ok! Perdeu? Fora! Salário bom? Beleza! Maior ainda? Foi embora. Machucou? DM horrível! Voltou a treinar? Joga logo!

Apenas o planejamento da torcida que pode ser crível. É nosso plano de sócio que vale por um ano. Competência de dirigente, palavra de técnico e amor de jogador às vezes não dura nem dois minutos.

Mas… ok… Infelizmente eu me recuso a acreditar em tudo que escrevi aqui pra cima dessas coisas que futebol é ciência exata, porque como todos os clichês dizem: não é só futebol. E vou lá acreditar em algum discurso mais uma vez. Trouxa.

Luciana

Foto: Washington Alves/Light Press

Foto: Washington Alves/Light Press

Luciana Bois

★★★★ Uma maria que possui a estranha mania de ter fé na vida. ;D
  • Osdso

    Bela reflexão. Válida em muitos (ou todos os) âmbitos, inclusive.