Fabiano e Willians dão uma boa ideia da maluquice que é nosso futebol

Tempo de leitura: 6 minutos

Olá amigos!

Estava tentando arrumar assunto para escrever aqui lendo notícias em nosso glorioso portal Superesportes. Eu sei que muitos de vocês odeiam o superesportes (mesmo lendo todos os dias), porque é um portal atleticano blá blá blá, e – mesmo concordando um pouco porque os atleticanos de lá são muito imbecis e não conseguem deixar de lado o clubismo – eu até gosto do superesportes. Ele dá pra gente um conteúdo bem mineiro, mais aproximado, dos clubes daqui. Compara com o globoesporte. É muita diferença de personalidade. A globo não sabe ser intimista.

Mas o grande problema de qualquer veículo de imprensa mineiro é o atleticano. O atleticano é muito idiota, e consegue estragar tudo sendo atleticano idiota. Ele não consegue ser apenas jornalista. Precisa puxar sardinha. É uma tragédia. Completamente fora da realidade que a profissão exige. Mas fazer o quê, né? Não sou eu que estou sendo idiota mesmo.

Mas voltando ao superesportes. Tem cruzeirense lá dentro. E gente boa. Que faz um trabalho legal. Então a gente tem que parar com essa besteira e prestigiar esse pessoal. O único grande problema do portal é esse tanto de propaganda. Até hotwords os caras têm, pelamor. E esse negócio de abrir um pop-up antes da notícia? Terrível. Eu fico muito triste que o pessoal precisa de tanta propaganda assim pra manter o site.

(Nessa hora você está olhando para as propagandas desse site aqui e se perguntando por que eu estou falando mal de propaganda no site e tenho um tanto de propaganda no site).

Eu sou obrigado a ter propaganda no site, ok? É a condição pra participar desse grupo do uai (apesar de que eu esqueci de passar todos os posts desse ano pra eles publicarem a chamada no site do uai risos). Você coloca esse header, os banners, e eles te dão AQUELA visualização marota do portal gigante.

Nossa, que tangente maluca que eu peguei. Eu só queria falar que estava passeando pelas notícias e, vendo vários nomes de jogadores sendo dispensados, valorizados e/ou cobiçados, tive um pensamento sobre sorte e azar no futebol. E como as carreiras de jogadores são afetadas por eventos fora de controle.

Por exemplo, o caso do Willians. No final de 2015, quando o Cruzeiro se encaixou e começou aquela boa campanha rumo a parte de cima da tabela, ele foi um jogador importante para a equipe. Entrou ali como o terceiro volante pela direita, deu uma segurança boa para nossa defesa e até arriscou umas jogadas ofensivas, uns passes pra gol. Fez um bom final de temporada. Pra mim ele ia começar 2016 como titular do time de Mano Menezes. Mas aí Mano foi pra China, Willians recebeu uma proposta do Corinthians e, de uma hora pra outra, ele estava em São Paulo. E deu tudo errado pra ele por lá. Não jogava, entrava faltando poucos minutos para acabar os jogos, era criticado pela imprensa, arrumou briga com jogadores e torcedores… e foi afastado. Agora, de volta ao Cruzeiro, foi prontamente descartado e está sem clube. Em pouco mais de um ano passou de titular para dispensado, tendo jogado em dois dos maiores clubes do Brasil.

Do outro lado temos Fabiano. Contratado em 2015, vindo da Chapecoense, o jovem jogador teve poucas chances como zagueiro e acabou sendo aproveitado na lateral-direita. Fez alguns bons jogos, mas era visto com muita desconfiança pela torcida. Nunca foi cotado para ser titular, mesmo com o Cruzeiro tendo esse problema maluco na lateral direita. Mayke morreu e ninguém quer nos contar? Enfim, mesmo sem jogadores para a posição, o Cruzeiro resolveu emprestar Fabiano para o Palmeiras.

E não é que a sorte sorriu para o jogador? Ele fez poucas, mas boas partidas pelo Palmeiras. Fez o gol do título da equipe paulista. É campeão brasileiro. E há poucos meses, estava sem espaço no Cruzeiro. O futebol é um esporte muito maluco.

É por isso que eu não gosto de julgar tão rapidamente os jogadores. Tudo depende do lugar certo, da hora certa, do treinador certo, da equipe certa. E tudo isso pode acontecer ou desaparecer de uma hora pra outra. Imagina se Fabiano tivesse ficado no Cruzeiro? E passado pelos nossos perrengues? Não estaria sendo valorizado hoje. Provavelmente já teria sido culpado por todos os nossos problemas e dispensado. Mas não, ele está sendo cobiçado pelo melhor time do país no momento.

Pensando nisso, fico na dúvida sobre vários jogadores que passaram por aqui nos últimos anos. Outro que vi ser “dispensado” hoje foi o Mena. E nunca entendi porque ele não deu certo. Jogador de seleção chilena, campeão das mil Copas Américas que foram disputadas nos últimos dois anos, nunca me pareceu esse horror todo que dizem. E hoje em dia, com essa carência quase que mundial para laterais, parecia uma opção boa para disputar posição com Edimar (outro que, na minha opinião, é criticado sem razão).

Acho que o futebol brasileiro trata muito mal o jogador estrangeiro. Dão prazos muito pequenos para eles funcionarem. Se em seis meses, ou à vezes até menos, o cara não rende, todo mundo cai matando. “Ele não presta”, “pra isso temos fulano na base”, etc… Isso acontece na maioria dos times. Está acontecendo com Cuellar no Flamengo. Foi contratado como a grande solução para o meio-campo deles, e hoje está no primeiro lugar da lista de dispensáveis.

Temos que dar mais tempo para os jogadores se adaptarem. O futebol brasileiro é muito maluco, diferente da maioria das outras ligas pelo mundo. Se até jogador brasileiro se perde por aqui, imagina o estrangeiro. Eu gosto de dizer que só julgo um técnico que treinou uma equipe por um ano inteiro, e ainda fazendo a pré-temporada. E acho que o mais justo é fazer o mesmo com os jogadores estrangeiros. Na verdade, acho que podemos até dar um pouco mais de tempo para eles se acostumarem com a nossa maluquice.

Pensa só, você sai do conforto do seu campeonato local, provavelmente jogando toda partida, sendo importante para seu time, arrumadinho, com o técnico que confia em você, tudo certo. Aí vem parar num grande clube brasileiro. Contratado por um técnico. Que é demitido. E tem jogo no domingo. Você entra meio perdido. Joga mal. O técnico interino é demitido. Vem Celso Roth. Você vira titular. Perde. Sai Celso Roth. Volta interino. Você não fica nem no banco. Perde. Vem Vágner Mancini. O time está mal. Você é a única esperança. Vágner Mancini te escala fora de posição. Você vai bem. Vágner Mancini te tira do time porque o time tá mal, não é hora de jogar bem, você está estragando tudo. Você é emprestado para o Vitória. Você está na Bahia. Comida boa, praia boa, pessoal tranquilo. Você não joga mais. Você vai pra praia. Você toma água de coco. Acabou a temporada, hora de se reapresentar. E seu novo técnico é o Celso Roth.

Fica um pouco complicado.

Até amanhã.

Ahhhh, aqui. Estava pensando em uma coisa. Você quer saber quando a gente faz texto? Ser informado rapidamente, INSTANTANEAMENTE, até? Não? Ah, poxa, então deixa pra lá né. Só ia falar pra você se cadastrar abaixo pra receber tudo no conforto do seu e-mail. Eu só leio blog assim hoje em dia. Mas se você não quer fazer o que né? Vou deixar aí embaixo de qualquer forma:

Não me siga

Michael Renzetti

Não sei nada sobre táticas, sobre jogadores, sobre times - bom, na verdade eu acho que não sei nada sobre futebol. Mas eu gosto de opinar.
Não me siga
  • Sandra Santos

    Willians brigou com Mano em 2015 e tem problemas extra campo. Todos sabem que essa diretoria afasta jogadores problemáticos. Isso evita que a maçã podre contamine as boas. Já Fabiano eu tb nunca entendi a troca pelo Lucas. Mesmo sem saber que o Lucas era péssimo!!!