Thiago Scuro deixa algumas coisas CLARAS ao sair do Cruzeiro

Tempo de leitura: 4 minutos

Olá amigos!

Péssimo título, hein? Eu ri bastante, não estou arrependido.

Estava lendo sobre a saída de Thiago Scuro do Cruzeiro. E como o título diz, acho que seu pedido de demissão deixou algumas coisas bem claras sobre como nosso clube anda funcionando. Nas reportagens sobre sua saída, todos os veículos noticiaram uma “falta de autonomia” como o motivo do desentendimento entre as duas partes. Num artigo da gazeta esportiva, ele diz algo curioso:

“O diretor executivo tem papel menos decisivo no futebol do que imprensa e senso comum pensam.”

Achei isso bastante estranho, pois uma simples pesquisa no google nos mostra que o diretor de futebol de um clube tem algumas atribuições bem importantes. Segundo o site administradores, as atribuições desse profissional são:

Mas o que faz um Diretor Executivo de Futebol?

No Setor Operacional ele deve proporcionar o pleno funcionamento do departamento de Futebol de Base e Profissional; representar o Clube junto a Entidades Esportivas; organizar; coordenar e supervisionar todas as atividades do clube relacionadas com o Futebol; observar Atletas para contratação e acompanhar a Delegação em Viagens; supervisionar e gerenciar os processos de vendas, empréstimos e compras de atletas; elaborar o orçamento do Departamento de Futebol; estabelecer relacionamentos comerciais com Agentes de Futebol, para compra e venda de Direitos de Atletas; observar atletas no estrangeiro, visando novas contratações; realizar reuniões periódicas com as Comissões Técnicas; aprovar ou Rejeitar Relatório Mensal de Custos do Setor; analisar e avaliar os Relatórios mensais dos Observadores Técnicos; elaborar política de salários com base no modelo de empresa e normas legais; controlar os direitos de imagem e de Arena; coordenar programa de treinamento para Atletas de alta performance; analisar relatórios da Fisiologia; elaborar programa de premiações e produtividade; estabelecer contatos com a Confederações e Federações para negociar os interesses do Clube com relação aos calendários de torneios e/ou competições entre várias outras.

É tanta coisa que eles até tiveram que colocar tudo coladinho depois de ponto e vírgula pra não gastar toda a internet.

Olha, eu não sou um grande especialista (como vocês já devem perceber), mas acho que organizar, coordenar e supervisionar TODAS AS ATIVIDADES DO CLUBE é bastante importante. Além disso, ele é responsável por contratar os jogadores, pagar e treinar todo mundo, enfim, o cara é praticamente o faz tudo do futebol.

E por que o faz tudo do futebol não é tão importante para um clube de futebol com o Cruzeiro? Não responda isso, foi uma pergunta retórica, é só pra eu complementar meu próprio argumento. Enfim, o faz tudo do futebol não é importante para o Cruzeiro porque o presidente e o vice presidente acham que devem dar palpites e fazer o trabalho do diretor de futebol. Porque aqui no Brasil todos somos diretores de futebol. Usa essa hashtaga aí: #SomosTodosDiretores.

Pensando bem, isso não é nenhuma novidade. Vemos isso a todo o momento na maioria dos clubes. O Vasco é uma prova viva do dirigente que quer ser treinador, diretor, e se bobear, até entrar em campo para bater pênaltis. Ao invés de se preocuparem em arrumar o clube, pagar as dívidas e construir uma boa equipe técnica, eles preferem dar entrevistas, cornetar jogadores e cobrar o técnico. Além disso, gostam de contratar seus próprios jogadores. Até hoje me lembro de Gilvan trazendo Rafael Silva como sua aposta pessoal no ano passado. Se eu fosse um diretor de futebol e o presidente do meu clube ficasse contratando jogadores horríveis, acho que também desistiria de trabalhar lá.

Até hoje não entendo como o Alexandre Mattos deu certo por aqui. Porque não me parece que o Cruzeiro é um clube que abraça tão facilmente jovens profissionais com ideias diferentes e essa autonomia toda que buscam. Ou será que Gilvan era aberto a isso, mas Mattos gastou tanto dinheiro que ele resolver mudar o estilo? Não tenho ideia, essa você pode responder. Por favor, responda. Sério mesmo.

Thiago Scuro voltou ao Red Bull, onde sempre foi amado por todos. E agora ele vai ser o CEO de lá, seja lá o que isso signifique. Na nota do clube, eles disseram:

“Foi durante sua gestão que o Red Bull Brasil marcou um de seus principais golaços. Em 2014, depois de boa campanha na Série A2, conseguiu chegar à elite do futebol estadual”.

Será que Thiago Scuro deu certo no Red Bull porque o clube é mais profissional? Porque eles tem uma outra forma de ver o futebol, por serem de uma empresa privada. Você sabia que o Red Bull se chama Red Bull porque pertence à empresa de bebidas energéticas Red Bull? Não é só uma coincidência. E você sabia que essa empresa Red Bull tem bilhões de times pelo mundo, e inclusive um deles está disputando o título do Campeonato Alemão? Agora fiquei pensando aqui, será que eles tomam muito Red Bull durante os jogos? Ou será que Red Bull é uma substância proibida no futebol? São muitos questionamentos sem resposta.

Não estou aqui dizendo que Thiago Scuro foi um grande profissional injustiçado, nem tenho ideia de suas capacidades, já que chegou no final de 2015 e enfrentou um 2016 complicado. Mas acho que sua saída nos mostra que o Cruzeiro anda muito menos profissional do que queremos.

Até amanhã.

Ahhhh, aqui. Estava pensando em uma coisa. Você quer saber quando a gente faz texto? Ser informado rapidamente, INSTANTANEAMENTE, até? Não? Ah, poxa, então deixa pra lá né. Só ia falar pra você se cadastrar abaixo pra receber tudo no conforto do seu e-mail. Eu só leio blog assim hoje em dia. Mas se você não quer fazer o que né? Vou deixar aí embaixo de qualquer forma:

Não me siga

Michael Renzetti

Não sei nada sobre táticas, sobre jogadores, sobre times - bom, na verdade eu acho que não sei nada sobre futebol. Mas eu gosto de opinar.
Não me siga
  • Sandra Santos

    Não vou citar erro por erro do nosso presidente mas o Scuro foi um PÉSSIMO diretor! Basta ver o contrato do Romero (que já podia assinar um pré-contrato e viria de graça para nós) e o do Ábila.