Mayke precisa dar a volta por cima em 2017

Tempo de leitura: 4 minutos

Olá amigos, eu voltei.

Fui atacado por uma virose maluca que me deixou sem condições de escrever aqui na semana passada. Mas como não está acontecendo muita coisa com o Cruzeiro mesmo, até que não foi tão ruim assim. Eu descansei de tentar arrumar assunto para escrever aqui e vocês ficaram sem textos não-criativos para ler. Todo mundo saiu ganhando. Os únicos pequenos problemas foram o vômito e a febre. Tirando isso, seria perfeito.

Mas é isso aí, estou aqui, recuperado, 100%, pronto para fazer mais um texto sem sentido para vocês xingarem o blog no Facebook. E sabe quem mais está recuperado, 100%? O Mayke. E ele voltou querendo recuperar o tempo perdido. Ele disse:

Será um novo Mayke no ano de 2017. Será diferente dos anos anteriores, inclusive de 2013 e 2014. Espero em 2017 ser um Mayke renovado. Vou trabalhar bastante para conseguir dar alegrias à torcida.

E é só isso que a gente quer. Alegrias. Na verdade, se ele pudesse ser IGUALZINHO 2013 e 2014, para mim já estava bom, não precisa ser tão diferente assim não. Em 2013/14 ele já dava bastante alegria pra gente. Mas em 2015 e 2016 Mayke não conseguiu dar alegrias para a gente. Na verdade ele deu bastante tristeza, mais tristeza do que a gente já estava sentindo com o restante da equipe e seus resultados ruins. Ele fala sobre isso também:

Isso acontece com todos os jogadores. Todos passam por fase ruim. Lógico que tive algumas lesões que me atrapalharam bastante. Mas isso já passou. Agora é olhar para frente e fazer o máximo para estar dentro de campo.

Realmente Mayke teve algumas lesões complicadas que atrapalharam seu rendimento durante esses anos, mas me parece que a situação foi muito pior. No início de 2015 ele parecia ter sofrido de uma depressão pós-vendas-de-todos-os-melhores-jogadores-do-time-e-infelizmente-eu-fiquei que é bem comum e ataca bons jogadores do mundo todo. Pelo menos foi isso que eu tirei da situação. Ele era um dos melhores da equipe e não conseguiu ser negociado, e, enquanto isso, Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart, Lucas Silva, e outros, conseguiam suas tão sonhadas independências financeiras se transferindo para qualquer equipe que oferecesse uma boa quantia.

Isso se juntou ao péssimo 2015 da equipe e à chegada de alguns jogadores mais ~festeiros~ (Willians, estou olhando para você) e Mayke nunca mais foi o mesmo. Toda vez que voltava de contusão e entrava na equipe dava pra ver que o potencial estava ali, mas ele não conseguia jogar. Estava sempre lento, não conseguia entrar no ritmo dos outros jogadores, enfim, não era o Mayke que a gente se acostumou a ver.

Parte desse problema, na minha opinião, foi que o jeito que Marcelo Oliveira colocava o Cruzeiro para jogar facilitava muito seu futebol. Ele tinha Éverton Ribeiro na mesma faixa do campo, e os dois combinavam muito bem. Os dribles e belos passes de Éverton com a velocidade e força do Mayke. Se todo o time sofreu com a saída do nosso camisa 17, Mayke foi o mais prejudicado. Perdeu seu companheiro de ataque.

Além disso, o time ficou mais fraco e desorganizado. E com a saída de Marcelo Oliveira, chegada de Luxemburgo, saída de Luxemburgo, chegada de Mano, saída de Mano, chegada de Deivid, saída de Deivid, chegada de Paulo Bento, saída de Paulo Bento e chegada de Mano – tudo isso em dois anos – a equipe virou uma bagunça, e ninguém conseguia jogar direito. Muito menos um jogador que passava tanto tempo lesionado.

Mas agora tudo parece mais tranquilo. Mano não recebeu nenhuma proposta para fazer sua vigésima independência financeira, o time está fazendo uma pré-temporada tranquila, tem ótimos jogadores que trabalharam por seis meses juntos, e Mayke vai ter todo o tempo do mundo para se recondicionar, entrar no ritmo e lutar pela titularidade da equipe novamente.

E nós precisamos disso. Não existem muitos bons laterais-direitos no Brasil, na verdade existem poucos bons no mundo. Na verdade não existe nenhum lateral-direito bom no universo quando pensamos que Daniel Alves fica ganhando prêmio atrás de prêmio de melhor do mundo na posição. Existe algo de muito errado aí. Mayke pode ser esse jogador. Pode ser o lateral-direito perdido, o lateral-direito que vai unir todas as tribos, como foi o Cofú, e pode até chegar à seleção. Potencial para isso ele tem. E você não precisa ouvir isso de mim, alguém um pouquinhozinho mais experiente na questão já disse que Mayke poderia ser o lateral da seleção:

Vejo no Mayke um futuro promissor. Ele ainda tem muito o que aprender, mas, se aprender, terá todas as condições de chegar à Seleção Brasileira. Digo isso baseado nas atuações que eu vi dele. O próprio Marcelo (técnico do Cruzeiro) fala – pode escrever: esse lateral, se souber aproveitar, chega na Seleção Brasileira -. O Mayke é o futuro lateral direito da Seleção Brasileira.

Sabe quem disse isso? O grande, super, maravilhoso, genial, lateral-direito chamado APODI. Mentira. Foi o Nelinho.

E se o Nelinho disse, meu amigo, está falado.

E o que nós podemos fazer sobre isso? Como sempre digo por aqui (e está ficando chato já, vocês podiam aprender logo), podemos apoiar, dar confiança para o garoto, não julgar seu futebol tão rapidamente. Vamos dar um tempinho para ele, vamos deixar Mayke se sentir confortável novamente com nossa camisa. E se não der certo aí sim eu libero para vocês tirarem as cornetas do bolso e soprarem o mais alto possível. Eu até ajudo. Mas vamos dar um tempinho para ele.

Até amanhã.

Ei, não vá embora ainda. Cadastre-se aqui e receba nossos e-mails.

A gente não vai vender seu e-mail e nem encher o saco com spam, pode ficar tranquilo.
Não me siga

Michael Renzetti

Não sei nada sobre táticas, sobre jogadores, sobre times - bom, na verdade eu acho que não sei nada sobre futebol. Mas eu gosto de opinar.
Não me siga