Lucas Silva, a nostalgia de 3 anos atrás e o carrossel da loucura

Tempo de leitura: 4 minutos

Olá amigos, tudo certo?

Hoje o Cruzeiro foi muito esperto e conseguiu trazer Lucas Silva de volta por um bom empréstimo de 1 ano e meio junto ao Real Madrid (time que simplesmente destruiu toda a vida do garoto, coitado). E isso me fez lembrar da dupla que ele fez com Henrique no time campeão brasileiro de 2014, o que me fez lembrar dos outros jogadores campeões daquele ano, como Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart, Ceará e Marcelo Moreno. E isso me fez pensar no absurdo que é sentir saudade de uma equipe que estava junta, jogando bonito aqui, apenas três anos atrás, logo ali, do ladinho, em 2014.

E agora todo mundo está espalhado por aí, alguns de volta ao Brasil, alguns perdidos pelo mundo oriental, outros sem time, alguns dançando Deu Onda, e outros com a velha mania de dar dibres desconcertantes. Olhando para o desenho de cada uma das carreiras desses jogadores pós Cruzeiro e tudo que nosso clube fez desde 2015, eu me pergunto: por que a gente não segurou todos eles e continuou com aquele time incrível bi campeão brasileiro?

Já antecipo que a resposta da maioria das pessoas é “teve que vender”, “oferta muito boa”, “não pode deixar de fazer caixa”, e outras coisas do tipo. Mas, a não ser que você seja o contador do Cruzeiro, eu não consigo compreender esse sentimento vindo do torcedor. Tem que vender pra que? Tem que fazer caixa pra que? A oferta é muito boa pra que?

Time de futebol não é empresa, não tem que gerar lucro, não tem que apresentar resultados para investidores. Tem é que jogar um bom futebol e brigar sempre por títulos. E essa nossa equipe fazia isso. Imagina esse Cruzeiro lutando contra o Corinthians pelo brasileirão de 2015? Ou pelo brasileirão de 2016 contra o Palmeiras? Seriam campeonatos muito mais legais, disputados, acirrados. Mas não, nós nos desfizemos de todo mundo e entramos numa confusão de contrata demite contrata demite que, sinceramente, deve ter custado mais dinheiro do que arrecadamos com as vendas dos jogadores.

“Ah mas também tem o lado do jogador, ele quer ir embora, fazer a famosa INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA”, você diz. Sim, tem isso, é verdade. Mas, felizmente, os clubes são protegidos por um negócio chamado contrato, que magicalmente faz com que o jogador tenha que jogar pelo seu time mesmo querendo ganhar milhões de reais na China. E as coisas nem precisam ficar tão tensas assim. É só você aumentar o salário desse jogador que tudo fica bem por um bom tempo. E se mesmo assim ele quiser ir embora, tudo bem, espera restar apenas um ano de contrato e vende o rapaz para a China, Arábia, ou qualquer outro lugar ridículo que ele queira ir.

Eu sei que esse é o mesmo papo de sempre, que não dá pra lutar contra o dinheiro, mas eu acho que está chegando a hora de mudar algo. A gente não pode ficar reconstruindo time ano após ano. É muito cansativo. E não dá certo. Ninguém que vende meio time num ano volta a jogar bem no outro. Você perde seu lugar para alguém mais bem preparado. O Corinthians estava preparado e roubou a coroa do Cruzeiro, vendeu todo seu time e perdeu a coroa para o Palmeiras, que também estava bem preparado no ano seguinte. E se o Palmeiras vendesse todo mundo nessa temporada (o que não aconteceu), o Flamengo estava preparado, no cantinho ali, olhando de rabo de olho, pronto para roubar a coroa também.

Eu cansei desse ciclo maluco do futebol brasileiro. Às vezes parece que todo mundo vai seguindo essa maluquice sem pensar e eu fico de fora vendo tudo se repetir em times diferentes e começo a ficar louco. Só nos últimos 10 anos aconteceu a mesma coisa umas três vezes seguidas. O São Paulo era o melhor, demitiu treinador e vendeu todo mundo. O Corinthians era o melhor, demitiu treinador e vendeu todo mundo. O Cruzeiro era o melhor, demitiu treinador e vendeu todo mundo. E agora o Palmeiras é o melhor, e provavelmente, nos próximos anos, vai demitir seu treinador (que na verdade eu nem tenho ideia de quem é mais) e vai vender todo mundo. É inevitável.

Alguém tem que parar com essa loucura. Sério mesmo, isso está me fazendo mal. Eu não consigo olhar para o futebol brasileiro e não ver um carrossel super divertido, bonito, colorido, com maravilhosos cavalos dando voltas e voltas sem sair do lugar, cada hora um na frente do outro, mas logo voltando para trás, e indo para a frente de novo, e voltando, e indo, e não saindo do lugar.

Até amanhã (se eu não for para um hospício).

Não me siga

Michael Renzetti

Não sei nada sobre táticas, sobre jogadores, sobre times - bom, na verdade eu acho que não sei nada sobre futebol. Mas eu gosto de opinar.
Não me siga
  • Anderson Freitas

    Sim, seu ponto de visto é bonito e eu tbm queria que fosse assim, times vendendo pouco e fazendo boas contratações pra repor aquela pequena perda, porém existe a realidade. O que tange a realidade é o dinheiro e a chance de estar na pratileira de cima do futebol.
    Quando um clube consegue ser Campeão, e muitos jogadores se destacam, esses jogadores estão a espera de uma chance de jogar na Europa(ou então aquele contrataço chinês ou árabe ganhando 3 quadrilhões de reais por mês), e essa é a mente do jogador. E eles não estão errados, pq o ápice do jogador ainda é jogar num grande clube europeu, e aquela ótima temporada pode ser sua grande chance.
    A não ser que o futebol brasileiro deixe de ser a segunda estante(estou sendo bonzinho) isso não irá mudar. E eu não vejo como entrariamos em equivalência com o futebol europeu e deixássemos de ser mercado de exportação.